Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Ciclismo e Democracia


Volta da França passa pela Suíça







A maior competição de ciclismo do mundo ocorre na Suíça entre 18 a 20 de julho. A realização do evento só foi possível graças à participação democrática dos municípios.

As diferentes etapas do circuito suíço da Tour de France: o início em Morains-en-Montagne, passagens por Couvet, Neuchâtel e Berna, onde a parada é feita; depois Zweisimmen, Saanemöser, Aigle e Finhaut-Emosson. (myswitzerland.com)

As diferentes etapas do circuito suíço da Tour de France: o início em Morains-en-Montagne, passagens por Couvet, Neuchâtel e Berna, onde a parada é feita; depois Zweisimmen, Saanemöser, Aigle e Finhaut-Emosson.

(myswitzerland.com)

Tour de France 2016 chega em Berna no dia 18 de julho. Depois de um dia de pausa, os ciclistas continuam a disputa em direção ao cantão do Valais, onde a partir da barragem de Finhaut-Emosson, dois mil metros acima do nível do mar, os especialistas em montanhas irão mostrar suas capacidades. 

Para Alexander Tschäppät, prefeito de Berna, é um grande "exercício no federalismo e na democracia" conseguir permitir que os ciclistas percorram as estradas dos cantões de Vaud, Neuchâtel, Friburgo, Berna e Valais. Ao trazer a competição para a Suíça, Tschäppät concretizou um antigo sonho. Nada mal para completar o fim próximo dos seus doze anos de mandato.

"Os cinco cantões tiveram de se esforçar para organizar a passagem da Volta da França. Eu posso dizer que a cooperação entre as polícias cantonais e os órgãos de trânsito funciona muito bem", declara Tschäppät para swissinfo.ch. Os custos para o cantão foram de 1,7 milhões de francos.

Cantões e municípios participaram da organização. Somente no cantão de Berna foram 40 deles. A sua importância está na característica política da Suíça, onde o sistema federativo determina que os municípios sejam soberanos na administração dos seus territórios.

"Todos participaram, mesmo se no início a motivação não era compartilhada igualmente", afirma Tschäppät. Se um dos municípios tivesse recusado a passagem do cortejo de ciclistas, provavelmente a Volta da França, o terceiro maior evento esportivo do mundo, não teria ocorrido na Suíça.

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.


Adaptação: Alexander Thoele, swissinfo.ch

×