Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

#WeAreSwissAbroad – Eva Hefti Viagem ao desconhecido

Mulher na praia

Eva Hefti na praia de Smugglers Bay, em Whangarei Heads. O local só pode ser acessado por um caminho íngrime.

(zVg)

Eva Hefti arriscou uma grande aventura ao mudar com sua família para a Nova Zelândia, um país que nunca havia visitado. Seu marido conseguiu um emprego e, graças às boas condições, hoje tem mais tempo para as crianças. Uma das coisas que mais agrada essa suíça de 39 anos é o clima ameno do país.

swissinfo.ch: Por que você se mudou da Suíça?

Eva Hefti: Nós (eu, meu marido e nossos três filhos) voamos em junho de 2017 com um bilhete só de ida para a Nova Zelândia (pela primeira vez). Meu marido, Tom, já queria há muito tempo viver no exterior para expandir seu horizonte profissional. Depois que os nossos gêmeos cresceram um pouco mais, achei possível realizar esse plano. 

As opiniões manifestadas neste artigo, dentre outros sobre o país de acolho e sua política, são pessoais e não correspondem às posições da plataforma de informações swissinfo.ch.

Aqui termina o infobox

Nós escolhemos a Nova Zelândia por acaso: foi quando eu li o texto em um blog sobre uma família que também havia se mudado para o país. Isso nos inspirou. Depois de algumas pesquisas, eu descobri que a profissão do meu marido era muito procurada por aqui. Ele se candidatou da Suíça a uma vaga e acabou assinando um contrato três meses depois. Mais três meses, e então voamos para a Nova Zelândia. 

swissinfo.ch: Foi uma viagem sem volta ou você pensa em voltar um dia à Suíça? 

E.H.:  Nós planejamos uma estadia de aproximadamente dois anos. Depois pretendemos retornar à Suíça.

Família

A família de Town Basin aproveitando um dia de calor para saborear um sorvete.

(zVg)

swissinfo.ch: Você está trabalhando? Como é?

E.H.: Aqui eu não trabalho, mas sim fico cuidando das crianças. Porém eu continuo mantendo com as minhas amigas a nossa revista eletrônica para famílias: Kleinstadt.chLink externo.

Esse trabalho me ajuda a encontrar um certo equilíbrio e, ao contrário do que temia antes, não é impossível de realizar esse trabalho de equipe apesar da grande diferença de fuso horário. 

swissinfo.ch: Onde você vive e como é a vida por aí? 

E.H.: Vivemos ao norte da Nova Zelândia, duas horas e meia distante ao norte de Auckland no pequeno vilarejo de WhangareiLink externo, a capital da região Northland. Aqui só temos o necessário. Ao contrário de Berna, a oferta cultural (museus, exposições) e também a escolha de produtos de qualidade são bastante reduzidas. 

O nosso cotidiano se difere do da Suíça na questão da carga de horário no trabalho do meu marido: aqui ela é muito menor e passamos mais tempo juntos na praia ou na natureza. 

As crianças esperando a onda chegar na praia de Waipu Cove.

As crianças esperando a onda chegar na praia de Waipu Cove.

(zVg)

swissinfo.ch: Em que ponto a Nova Zelândia é mais atrativa do que a Suíça?

E.H.: Nós gostamos do grande espaço e das praias maravilhosas e desertas, além do clima agradável daqui. Também achamos a mentalidade menos complicada do que na Suíça. A frase comum do povo aqui é "no worries", ou seja, "não se preocupe"...

A menor densidade demográfica, a falta de transportes públicos e as grandes distancias são as maiores diferenças em relação à Suíça. 

Crianças e o pai nadando

As crianças adoram se refrescar na água da praia local. 

(zVg)

swissinfo.ch: Vocês têm saudades da Suíça?

E.H.: Nós temos consciência de como somos privilegiados de poder viver na Suíça, com seu alto padrão de vida. Por outro lado, temos uma tendência de ser perfeccionistas. Assim descobrimos que é possível fazer as coisas com um pouco menos de esforço. 

swissinfo.ch: Vocês já se sentem bem integrados? 

E.H.: Apesar de falar fluentemente inglês, percebo ter algumas dificuldades para ter conversas profundas como no meu idioma materno. Isso me freia um pouco. 

Apesar de termos feitos algumas amizades, achamos um pouco estranho estar sempre com pessoas que conhecemos só há pouco tempo. 

Família posa de sandálias e pés descalços nas praia.

Família posa de sandálias e pés descalços nas praia.

(zVg)

swissinfo.ch: O que você mais está gostando?

E.H.: De não precisar mais de roupas de inverno, de ter sempre o sol e poder ir para a praia quando queremos. Também estou gostando de ver como as crianças aproveitam outra cultura e aprendem mais um idioma. 

Carro percorrendo uma praia

Na Nova Zelândia é permitido dirigir um veículo na praia, como aqui, em Shipwreck Bay, Ahipara.

(zVg)

swissinfo.ch: Você participa das votações e eleições na Suíça?

E.H.: Sim, em grande parte das vezes através do voto eletrônico via e-mail. 

swissinfo.ch: O que mais sente falta da Suíça?

E.H.: Do transporte público, do pão e, obviamente, dos nossos amigos e família.

Floresta

"Maravilhosa floresta em Rangiputa na ilha de Karikari."

(zVg)

Mostre a Suíça global: marque suas fotos no instagram com o hashtag #WeAreSwissAbroadLink externo.

Bilder von Auslandschweizern

Mostre a Suíça global: marque suas fotos no instagram com o hashtag
#WeAreSwissAbroad 

Nós vamos compartilhar fotos e vídeos selecionados em nossa página do instagram, e esperamos descobrir suíços e suíças vivendo histórias notáveis pelo mundo.nÉ um grande prazer para a swissinfo.ch oferecer uma plataforma para você publicar suas vivências em retratos, anedotas e histórias. 

(swissinfo.ch)


Adaptação: Alexander Thoele, swissinfo.ch (entrevista realizada por escrito)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.