Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

A loteria do asilo Seis gráficos ilustram melhor o fenômeno migratório

Diariamente milhares de refugiados e migrantes atravessam as fronteiras europeias à procura de proteção e uma melhor vida. Um desafio sem precedentes para a União Europeia, que há meses tenta encontrar uma solução comum e solidária. Quais são os países mais atingidos? Qual influência teria a introdução de um sistema de cotas obrigatórias para os países? A resposta está numa série de gráficos e elementos interativos.

Nunca antes, tantas pessoas tinham arriscado a vida para chegar na Europa pelo mar. Nos primeiros oito meses de 2015, aproximadamente 432 mil desembarcaram no litoral sul da Europa. Esse número representa um aumento de 60%, em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, tratam-se, principalmente, de pessoas em busca de proteção e que escapam das guerras no Afeganistão e na Síria, além da ditadura da Eritréia.

Mais de 660 mil pedidos de asilo foram feitos na Europa no ano passado. O número de solicitações chega ao mesmo nível do período do conflito no território da ex-Iugoslávia nos anos 1990.

A situação entre os países é diferenciada. Enquanto a Alemanha deverá receber 800 mil refugiados até o final do ano - quatro vezes mais do que em 2014 - a Secretaria de Estado da Migração na Suíça calcula 29 mil refugiados em 2015 (2014: 23.770), um número menor do que os 40 mil registrados em 1991 e 1999.

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Muitos países da Europa do Leste resistem ao acolho de migrantes. A Hungria, que viveu nas últimas semanas a chegada de milhares de refugiados, tentou inicialmente fechar suas fronteiras e concentrar as pessoas nas estações de trem. A Eslováquia aceitou o pedido europeu, mas só para os refugiados cristãos. A Bulgária colocou as forças armadas para patrulhar as fronteiras.

Nos últimos meses, diversos países europeus anunciaram a intenção de reforçar os controles das fronteiras. A Hungria vai construir um muro de 175 km para se isolar da Sérvia. A Bulgária vai prolongar a sua barreira de 130 km.

O Partido do Povo Suíço (SVP, na sigla em alemão) propôs colocar o Exército para vigiar as fronteiras. No cantão do Ticino, a Lega dei Ticinesi, propôs fechar a fronteira com a Itália.

Essas propostas são condenadas pelas organizações de defesa dos direitos humanos. E nem sempre elas têm origem em países atingidos pelo problema do fluxo de imigração, como mostra a ilustração seguinte.

Grafico2

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Frente ao desafio provocado pela chegada de milhares de refugiados, a UE tenta uma solução comum e solidária para a questão imigratória.

Enquanto a Grécia e a Itália assistem ao desembarque diário de centenas de pessoas, as destinações privilegiadas continuam sendo a Alemanha e a Suécia. Para seguir viagem, quase sempre o imigrante clandestino dribla o registro obrigatório no país onde pisou pela primeira vez, como prevê o acordo de Dublin, muitas vezes por causa da “vista grossa” dos países do Sul, incapazes de controlar esse fluxo e de impedir a continuação da travessia.

(swissinfo.ch)

Diferentes países liderados pela Alemanha, exigem uma revisão do Acordo de Dublin e uma distribuição mais justa dos refugiados entre os membros da UE. A Suíça participaria desse plano devido aos acordos bilaterais. A proposta prevê a introdução de quotas fixas por país segundo seu PIB, número de habitantes e taxa de desemprego - e também possíveis multas aos países relutantes em participar.

O próximo gráfico mostra os pedidos de asilo depositados em 2014, em função de alguns critérios discutidos em Bruxelas.

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O reconhecimento de uma proteção necessária não é simples. Ele depende de uma série de fatores como o perfil e o país de origem, além da interpretação dos diversos governos “dispostos” a acolher o imigrante. O gráfico seguinte ilustra como um pouco menos da metade dos casos analisados (47%), no ano passado, terminou em asilo. Efetivamente, este representa um dado 12% superior ao índice de 2013*.

A Suíça está entre os países europeus com a maior taxa de reconhecimento de asilo ou de admissão provisória, 70,5% segundo Eurostat**.  A Bulgária está na liderança, com 94,1%, e a Hungria fecha a classificação das estatísticas de acolho, com apenas 9,4% ; a maior parte dos pedidos de asilo, em 2014, veio do Kosovo, um país considerado seguro.

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Enquanto alguns países europeus têm dificuldades na administração dos fluxos migratórios e enfrentam sentimentos de intolerância dentro de casa, 86% dos refugiados vivem em países em vias de desenvolvimento (12,4 milhões, no fim de 2014), segundo a UNHCR. Quatro milhões de sírios encontraram proteção nos países vizinhos. No Líbano, por exemplo. 25% da população são de refugiados e gente em busca de asilo: trata-se da mais alta taxa do mundo por milhão de habitantes, 12 vezes maior do que na Suécia.

O mapa seguinte mostra o número total de pedidos de asilo e de refugiados registrados pela UNHCR por milhão de habitantes ou por um dólar do Produto Interno Bruto ***. 

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Notas de explicação

* O aumento da taxa de reconhecimento é ligado, em parte, ao perfil do candidato ao asilo e a uma mudança no método usado pelo Eurostat. A partir de 2014, foram excluídos da base de cálculo os chamados “ casos Dublin” (pessoas já identificadas em outros países europeus), porque existiria o risco que um candidato aparecesse mais vezes em registros de dois países.

**  Oficialmente, a Suíça fala de uma taxa de proteção  de 58%, em 2014. Este dado inclui os refugiados e as pessoas admitidas provisoriamente. Como se explica a diferença com  Eurostat, que aponta uma taxa de reconhecimento de 70,5%? O motivo é simples:  diferente do Eurostat, a Suíça continua a considerar, para efeitos de cálculo, também os casos Dublin e os outros de pessoas de quem os pedidos de asilo nem chegam a ser examinados.

Diferente da UE, na Suíça as “decisões positivas” se limitam exclusivamente ao reconhecimento do asilo  (25,6% em 2015). Os casos de admissão provisória aparecem, ao contrário, nas estatísticas das decisões negativas.

*** As estatísticas da UNHCR utilizadas no último mapa se diferenciam daquelas de Eurostat, que serviram de base para os outros gráficos. Eurostat leva em consideração apenas o número de pedidos de asilo por período de referência, já a UNHCR conta o número total de pedidos.


Adaptação: Guilherme Aquino, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.