AFP

O suíço André Borschberg, um dos pilotos do Solar Impulse 2, anuncia à imprensa o adiamento da última etapa da volta ao mundo do avião solar

(afp_tickers)

A última etapa da volta ao mundo do avião movido exclusivamente por energia solar, o Solar Impulse 2, foi adiada neste sábado, devido a um problema de saúde do piloto.

"Estou doente. Um problema de estômago. Prefiro adiar a decolagem do @solarimpulse. Não posso voar durante 48 horas neste estado. Lamento", escreveu Bertrand Piccard em um post no Twitter.

O avião, que pousou na quarta-feira no Cairo, deveria ter decolado às 22H00 GMT (19h00 de Brasília) da capital egípcia, em direção a Abu Dabi, etapa inicial e final de seu périplo, iniciado em 9 de março de 2015.

Desde o começo desta aventura, dois homens se revezam na cabine da aeronave, os suíços André Borschberg e Bertrand Piccard.

"Piccard não se sentia bem. Estava muito melhor esta manhã. Mas esta noite, piorou. Então, tomamos a decisão (...), não foi uma decisão fácil, mas é uma decisão sensata, por motivos de segurança", disse Borschberg aos jornalistas que aguardavam a decolagem do avião no Cairo.

Piccard pertence a uma família de cientistas, pesquisadores e aventureiros. Seu avô, Auguste, inspirou o belga Hergé a criar o personagem do professor Tornasol na série do intrépido jornalista Tintin.

O Solar Impulse 2 havia decolado na segunda-feira de Sevilha rumo ao Egito, deixando para trás 3.745 km, trajeto completado em 48 horas e 50 minutos.

Ao final de junho, a aeronave entrou para a História ao cruzar o oceano Atlântico pela primeira vez.

O Solar Impulse 2, que pesa 1,5 tonelada e tem a largura de um Boeing 747, voa com uma velocidade média de 50 km/h graças a baterias que armazenam a energia solar, captada por células fotovoltaicas instaladas nas asas.

Durante a volta ao mundo que já dura 16 meses, o Solar Impulse 2 fez escala em Mascate (Omã), Ahmedabad e Varanasi (Índia), Mandalay (Mianmar), Chongqing e Nanquim (China), Nagoia (Japão) e Havaí (EUA), onde teve que fazer uma longa escala técnica de quase dez meses para consertar as baterias, danificadas na primeira etapa de seu voo sobre o Pacífico, que durou cinco dias entre Nagoia e o arquipélago americano.

Após o reparo, o Solar Impulse 2 voou do Havaí até os Estados Unidos, onde fez escalas em San Francisco, Phoenix, Tulsa, Dayton, Lehigh Valley e Nova York.

Na segunda-feira, 20 de junho, o avião solar decolou rumo a Sevilha, aonde chegou após 71 horas e 8 minutos de voo solo ininterrupto.

afp_tickers

 AFP