AFP

Gráfico com cronologia das Farc

(afp_tickers)

A guerrilha das Farc, cuja luta por alcançar o poder através das armas marcou a sangue e fogo os últimos 52 anos na Colômbia, celebra sua décima conferência visando a se converter em um movimento político legalizado.

- Fundação -

Em 9 de abril de 1948, o assassinato do caudilho liberal Jorge Eliécer Gaitán desata na Colômbia um violento confronto entre liberais e conservadores, então no governo.

Uma anistia, em 1953, e um acordo para a alternância de poder, em 1957, acaba com a violência interpartidária.

Mas os camponeses liberais se organizam para reclamar uma reforma agrária em territórios sob influência comunista que foram chamados de "repúblicas independentes" e que o Estado tentou reconquistar pela força em 1964.

Sob o comando de Manuel Marulanda Vélez, conhecido depois como Tirofijo, cerca de 50 camponeses sobreviveram ao ataque e formaram as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), assumindo como data fundacional o dia 27 de maio de 1964.

As Farc começaram como uma guerrilha de autodefesa que reivindicava a luta radical agrária, depois incorporaram o discurso marxista-leninista e, depois da queda da União Soviética, o bolivariano de corte nacionalista.

- Rebelião -

Rebeladas contra o Estado há mais de meio século, as Farc sobreviveram por sua capacidade de mover-se na complexa geografia colombiana de montanhas e selvas, pelo recrutamento voluntário ou forçado de camponeses, inclusive menores e, especialmente, a partir dos anos 1980, pelos recursos obtidos da extorsão, sequestro e narcotráfico.

A guerrilha reconheceu a cobrança de um imposto dos cultivadores de folha de coca - matéria-prima da cocaína -, mas negou ser um cartel do narcotráfico como assinalam os Estados Unidos.

As Farc nunca revelaram seu contingente, mas estimativas oficiais dos anos 1980 falavam de 8.000 guerrilheiros, 16.000 uma década depois e atualmente 7.000 combatentes. Fontes militares indicaram que, além disso, contariam com o apoio de 6.000 milicianos.

- Reforma -

Historicamente, as Farc exigem uma reforma agrária e uma nova Constituição. Depois do assassinato nas mãos de paramilitares de cerca de 3.000 simpatizantes, militantes e dirigentes da União Patriótica, partido de esquerda criado em 1985 por ex-membros desta guerrilha, também exigem garantias para virar partido político.

- Conversações -

As Farcs tentaram negociar a paz com os governos de Belisario Betancur (1982-1986), César Gaviria (1990-1994) e Andrés Pastrana (1998-2002). Em novembro de 2012, iniciaram o processo de paz com Juan Manuel Santos, que deve governar até 2018.

Com o governo de Santos, alcançaram, depois de quatro anos de negociações em Cuba o histórico acordo de seis pontos que a X Décima Nacional Conferência Guerrilheira das Farc deve ratificar.

O pacto de Havana será assinado em 26 de setembro, em Cartagena, mas para se tornar efetivo deve ser aprovado pelos colombianos em um referendo em 2 de outubro.

afp_tickers

 AFP