AFP

Manifestante apoia o Movimento Black Lives Matter, em protesto contra a violência policial contra cidadãos afro-americanos, em Nova York, em 9 de julho de 2016

(afp_tickers)

O presidente da Associação Internacional de Diretores da Polícia (IAPC) pediu desculpas pelas "injustiças" que historicamente têm sofrido os afro-americanos por parte de agentes da lei, o que gerou uma nefasta desconfiança entre as forças da ordem e as comunidades negras.

Durante a assembleia anual da IAPC, em San Diego (Califórnia), na segunda-feira, o presidente da Associação, Terrence Cunningham, avaliou que "estes são tempos difíceis para a polícia", já que os "acontecimentos dos últimos anos levaram muita gente a questionar as ações dos nossos agentes e solaparam tragicamente a confiança da população nas forças policiais".

Apesar de que "no decorrer dos anos milhares de policiais deram sua vida" para proteger a comunidade e as leis, "as forças da ordem representam, para muitos cidadãos, a opressão".

"No passado, algumas leis exigiam dos agentes policiais (...) o exercício discriminatório ou que negassem direitos básicos a muitos americanos", recordou Cunningham, em referência à escravidão nos Estados Unidos e a posterior segregação racial, abolida em 1964 pela Lei dos Direitos Civis.

Para tentar reparar a perda de confiança entre a polícia e as comunidades negras, o presidente da IACP estimou que a organização e as forças de segurança, em geral, devem "reconhecer e pedir desculpas (...) pelo papel da nossa profissão nos maus tratos históricos contra as comunidades de cor".

A polícia tem sido acusada nos últimos anos de uso abusivo da força, particularmente contra as minorias, após a morte de numerosos negros, muitos desarmados, em incidentes diversos.

afp_tickers

 AFP