AFP

Ministro da Justiá Heiko Maas (E) e Vice-chanceler Sigmar Gabriel fala à imprensa

(afp_tickers)

As autoridades alemãs informaram neste sábado que o homem que disparou e matou nove pessoas em um shopping em Munique era um rapaz desequilibrado e sem vínculos com o grupo Estado Islâmico (EI).

Segundo os últimos elementos da investigação, o jovem de 18 anos e com dupla nacionalidade, alemã e iraniana, premeditou o crime e atraiu a maioria de suas vítimas através do Facebook, induzindo-as a entrar em uma lanchonete do McDonald atrás de ofertas com descontos.

O autor da matança, que deixou nove mortos e 16 feridos, teria sido vítima no passado de "assédio" por outros "jovens de sua idade", indicou o ministro do Interior, Thomas de Maizière.

"Partimos do princípio de que esse caso se trata de um ato clássico de um desequilibrado sem nenhum tipo de motivação política", afirmou o representante do Ministério Público.

O chefe de polícia de Munique, Hubertus Andrä, descartou, por sua vez, qualquer "vínculo com o (grupo) Estado Islâmico".

O agressor, identificado como David Ali Sonboly, nasceu em Munique de pais que chegaram na Alemanha no final dos anos 1990 como solicitantes de asilo, e frequentava um centro educativo da cidade.

Na sexta-feira à tarde, disparou contra um grupo de pessoas em um shopping center e arredores. Depois disso, suicidou-se.

Em sua mochila, os investigadores encontraram cerca de 300 munições, o que levanta a suspeita de que sua intenção era matar um número maior de pessoas.

Os agentes devem determinar agora como ele conseguiu sua arma, uma pistola Glock de 9 mm, que aparentemente ele adquiriu ilegalmente, já que o número de série estava apagado.

Os investigadores disseram existir um vínculo "evidente" entre este tiroteio e o assassino supremacista branco norueguês Anders Behring Breivik.

O tiroteio em Munique aconteceu justamente no dia em que o massacre de 77 pessoas cometido pelo radical de direita norueguês completava 5 anos.

No quarto de Sonboly foram encontrados documentos desse massacre e de outros similares, assim como um livro de matanças perpetradas por estudantes.

- Videogames violentos -

Nascido em uma família de origem xiita, parece que se converteu ao cristianismo, daí o nome David, segundo o ministro alemão do Interior.

Ele agiu sozinho e planejou toda a ação. Segundo De Maizière, o autor tentou atrair suas vítimas, depois de ter hackeado a conta de Facebook de uma jovem, e a que prometia descontos em um restaurante de fast-food do shopping.

A maioria das vítimas são muito jovens, adolescentes e jovens adultos. Entre elas estavam três kosovares, três turcos e um grego.

O jovem atacante morava com os pais em uma moradia de proteção oficial com muitos estrangeiros e alemães de origem estrangeira. Uma vizinha disse à AFP que ele era uma "boa pessoa, que sorria como qualquer pessoa normal".

Outros vizinhos o descreveram com um jovem solitário e apaixonado por videogames violentos, um elemento que para o ministro do Interior "teve um papel" neste caso.

Em um vídeo amador difundido nas redes sociais na noite de sexta e autentificado pela polícia, é possível ver no telhado do shopping um homem insultando outro, vestido de negro e com uma pistola na mão.

Em resposta aos insultos do outro indivíduo, o agressor responde: "Sou alemão, nasci aqui. Em um bairro do Hartz IV", nome do auxílio desemprego recebido por muitos beneficiários. "Estava em tratamento hospitalar", disse ainda.

"Os moradores de Munique passaram uma noite de horror", declarou a chanceler Angela Merkel, em sua primeira declaração após o tiroteio.

A Alemanha continua comovida. A matança aconteceu quatro dias depois de um ataque com um machado em um trem regional da Baviera, cometido por um solicitante de asilo afegão de 17 anos, que disse pertencer ao EI.

afp_tickers

 AFP