AFP

Monumento em homenagem aos refugiados mortos no mar que conta com um "contador" junto à inscrição "Não é apenas um número, são pessoas", em Barcelona, no dia 28 de julho de 2016

(afp_tickers)

A cidade de Barcelona inaugurou nesta quinta-feira um pequeno monumento aos refugiados, em sua principal praia, que traz um "contador" de pessoas mortas no Mar Mediterrâneo tentando chegar à Europa.

"Inauguramos este contador da vergonha, que em tempo real atualizará o número de vítimas conhecidas afogadas no Mediterrâneo", explicou Ada Colau, prefeita da segunda principal cidade espanhola.

Em 2015, Colau declarou Barcelona cidade aberta aos refugiados e se disse disposta a acolher imediatamente 1.200 pessoas, cuja chegada é retardada pela burocracia do governo espanhol e das autoridades europeias.

O monumento é um retângulo vertical metálico de aspecto oxidado com um contador eletrônico em sua parte superior junto à inscrição "Não é apenas um número, são pessoas".

O número inicial foi de 3.034, que representa os refugiados mortos no mar desde o início de 2016, segundo a Organização Internacional de Migrações.

"Estamos aqui para olhar o Mediterrâneo de frente e ver este número, 3.034 pessoas afogadas porque não lhes ofereceram uma viagem segura", declarou a prefeita, destacando que o mar se tornou uma "enorme fossa comum".

O ato contou com a participação de um poeta sírio, que leu em árabe um poema sobre a guerra em seu país, e de um socorrista espanhol, que fundou uma ONG para resgatar refugiados nas costas gregas.

afp_tickers

 AFP