Barco de ONG pró-aborto é expulso da Guatemala sem praticar nenhum procedimento

 AFP

Membros da ONG holandesa Women on Waves em seu veleiro "Adelaide" no porto de San José, na Guatemala, em 23 de fevereiro de 2017

(afp_tickers)

O barco de uma ONG holandesa que queria realizar abortos gratuitos na Guatemala foi expulso do país na noite deste sábado, sem realizar nenhum procedimento, após restrições impostas pelo governo e protestos dos setores religiosos, informou o Exército neste domingo.

O pequeno veleiro da organização Women on Waves foi custodiado até águas internacionais por uma embarcação oficial e supervisionado por funcionários da Direção Geral de Migração, indicou a jornalistas o comandante e capitão do Puerto Quetzal, Saúl Tobar.

A própria ONG "solicitou sua partida ao ser notificada da sua expulsão do mar territorial por ter violado as regulações migratórias do país".

A Direção de Migração ordenou a expulsão dos tripulantes do barco na sexta-feira passada porque seus integrantes mentiram em sua declaração de entrada no país, ao indicar que eram turistas e não membros de "uma organização de saúde" que ia praticar abortos, um procedimento permitido na Guatemala apenas quando a vida da mãe corre perigo.

O veleiro, chamado "Adelaide", chegou na noite de terça-feira ao porto de San José, no litoral Pacífico, com ativistas procedentes de Brasil, Áustria, Alemanha, Holanda, Espanha e Guatemala.

Sua intenção era trasladar a águas internacionais mulheres que queiram interromper uma gravidez indesejada, como fez anteriormente em Irlanda, Polônia, Portugal e Espanha.

Após a chegada da embarcação, o presidente Jimmy Morales instruiu a apresentação de uma denúncia ante o Ministério Público contra os voluntários.

A presença do veleiro também gerou uma onda de protestos dos setores mais conservadores do país.

AFP

 AFP