AFP

(Arquivo) A ativista Meg Whitman

(afp_tickers)

Uma proeminente ativista republicana e captadora de fundos anunciou que apoiará a democrata Hillary Clinton nas presidenciais americanas e fornecerá dinheiro a sua campanha para tentar impedir que Donald Trump, a quem classificou de perigoso demagogo, vença as eleições.

"Votarei em Hillary, falarei com meus amigos republicanos para que a apoiem, doarei para sua campanha e tentarei arrecadar dinheiro para ela", disse Meg Whitman ao jornal The New York Times na terça-feira.

A multimilionária Whitman é presidente-executiva da Hewlett Packard Enterprise e antes ocupou o mesmo cargo no eBay. Ela financiou, sem êxito, sua própria campanha para ser eleita governadora da Califórnia em 2010.

Whitman disse ao Times que Trump é um "demagogo desonesto" e que elegê-lo para ocupar a Casa Branca levará os Estados Unidos "por um caminho muito perigoso".

Whitman reafirmou declarações formuladas meses atrás nas quais comparava Trump com Hitler e Mussolini, lembrando que com frequência os ditadores chegam ao poder por meios democráticos.

"A história nos mostrou reiteradamente que quando os demagogos chegam ao poder ou estão perto dele geralmente não termina bem", disse.

A empresária revelou que Hillary a contactou por telefone há um mês.

Whitman anunciou que está disposta inclusive a fazer campanha pela ex-secretária de Estado.

Um assistente da empresária disse ao Times que ela realizará uma doação de seis dígitos à campanha de Hillary.

Whitman foi uma das principais arrecadadoras de fundos para a campanha presidencial do republicano Mitt Romney em 2012 e dirigiu a equipe de finanças do governador de Nova Jersey, o também republicano Chris Christie neste ano, até abandonar a corrida à presidência.

Quando Christie apoiou Trump, Whitman acusou o governador de dar uma "amostra flagrante de oportunismo político", lembrou o Times.

afp_tickers

 AFP