AFP

Vista de Santiago de Chile em 18 de novembro de 2015

(afp_tickers)

Os governos do Chile e da Argentina anunciaram nesta segunda-feira que em 2017 entrará em vigor um acordo que põe fim à dupla tributação entre os dois países.

O convênio elimina a dupla cobrança de imposto sobre renda e patrimônio, além de servir para evitar a evasão e a sonegação fiscal.

"Eliminar as barreiras causadas pela duplicidade de impostos entre Chile e Argentina é uma notícia muito boa", disse o ministro da Fazenda do Chile, Rodrigo Valdés.

"É um passo importante no processo de integração entre nossas duas nações irmãs", afirmou o ministro das Finanças argentino, Alfonso Prat-gay.

Ambas as autoridades ressaltaram que a medida -já ratificada pelos congressos de ambos os países- impulsionará um maior fluxo de investimentos, comércio e serviços entre os dois países, que atravessam um renovado bom momento de sua relação bilateral.

O acordo, assinado em 15 de maio de 2015 em Santiago, estabelece que as rendas provenientes de atividades empresariais, serão taxadas exclusivamente no Estado de residência dos contribuintes.

Neste mesmo día, os governos de Chile e Argentina anunciaram também o início do processo de licitação internacional para a construção do extenso túnel de Águas Negras através da cordilheira dos Andes.

Com uma extensão de 13,9 km e um custo estimado em mais de de 1,4 bilhão de dólares, o túnel unirá a região de Coquimbo, no Chile, com a província de San Juan, na Argentina, melhorando a integração terrestre em uma área projetada como ponto central do corredor bioceânico que conectará os dois países com os portos de Porto Alegre, no Brasil.

A partir na quarta-feira, empresas internacionais poderão apresentar sua pré-qualificação para o desenho e a execução do túnel, que com 13,9 km de extensão unirá a região de Coquimbo, no Chile, com a província de San Juan, na Argentina.

afp_tickers

 AFP