AFP

(25 ago) Homem assiste a uma reportagem sobre o teste nuclear norte-coreano, em uma estação de trem de Seul

(afp_tickers)

A Coreia do Norte está pronta para realizar a qualquer momento um novo teste nuclear, afirmou nesta segunda-feira o Ministério da Defesa sul-coreano, três dias depois de Pyongyang ter detonado sua bomba atômica mais potente até hoje.

Na sexta-feira, o regime realizou seu quinto teste nuclear em Punggye-ri (nordeste).

"Um novo teste (nuclear) pode ser realizado em um dos túneis (...) Os preparativos foram finalizados", disse aos jornalistas o porta-voz do ministério, Moon Sang-Gyun.

O funcionário se recusou a dar maiores detalhes, argumentando questões de segurança, mas disse que as forças militares estavam prontas para responder a qualquer eventualidade, como "novos testes nucleares, lançamentos de mísseis balísticos ou provocações por terra" por parte da Coreia do Norte.

Pyongyang realizou seu primeiro teste nuclear em 2006 em um primeiro túnel, e os outros quatro em um segundo túnel.

Em um comunicado no qual apresentou seu quinto teste como a resposta necessária à ameaça nuclear americana, um porta-voz do ministério das Relações Exteriores norte-coreano havia anunciado no domingo que Pyongyang desenvolveria sua dissuasão "em qualidade e quantidade".

Pyongyang afirmou ter testado na sexta-feira uma ogiva nuclear que pode ser incorporada a um míssil. A miniaturização das cargas é um dos aspectos chave de todo programa nuclear militar, já que a dissuasão depende da capacidade de projeção das bombas.

Os especialistas estimaram em 10 quilotons a energia desprendida do quinto teste, quase o dobro do teste de oito meses atrás.

"O êxito milagroso" do programa nuclear norte-coreano significa que o Norte "tem entre suas garras" as bases americanas do Pacífico, mas também o continente americano, comemorou nesta segunda-feira o jornal do partido único no poder, Rodong Sinmun.

Na sexta-feira, o Conselho de Segurança da ONU decidiu trabalhar em uma nova resolução para impor sanções a Pyongyang.

- Medidas "fortes" -

A Coreia do Norte, condenada por desenvolver um programa nuclear balístico, está sujeita a cinco blocos de sanções, que não conseguiram minar a vontade do regime isolacionista de desenvolver uma arma atômica.

Sung Kim, representante especial para a Coreia do Norte do Departamento de Estado americano, explicou no domingo no Japão que Washington e Tóquio tentavam obter da comunidade internacional "a medida mais forte possível" para responder a Pyongyang.

O responsável deu a entender que os Estados Unidos podem adotar novas sanções unilaterais diante do "comportamento provocador e inaceitável dos norte-coreanos".

Sung Kim deve chegar nesta segunda-feira a Seul, onde se reunirá na terça com seu colega sul-coreano, Kim Hong-Kyun.

Washington, informou a agência sul-coreana Yonhap, também quer mobilizar dois bombardeiros estratégicos B-1B para sobrevoar a Coreia do Sul.

As Forças Armadas americanas na Coreia do Sul explicaram que esta operação foi adiada em um dia, para terça-feira, devido ao mau tempo, embora tenham se recusado a informar que tipo de avião utilizarão.

"Esta missão tem por objetivo reforçar o compromisso americano para apoiar seu importante aliado após o teste nuclear norte-coreano", declarou um porta-voz à AFP.

Washington realizou missões similares após os testes nucleares anteriores da Coreia do Norte.

Os Estados Unidos também planejam enviar no próximo mês o porta-aviões a propulsão nuclear "USS Ronald Reagan" e cinco destróieres às águas territoriais sul-coreanas, no âmbito de um exercício naval conjunto, acrescentou a Yonhap.

O porta-voz das forças americanas na Coreia do Sul se negou a confirmar estas informações.

As tropas americanas estão presentes na Coreia do Sul desde a guerra de 1950-1953, que terminou com um armistício, sem um tratado de paz.

afp_tickers

 AFP