AFP

(Arquivo) Foto tirada em 29 de agosto de 2016 mostra o secretário de Defesa americano, Ashton Carter, em coletiva de imprensa no Pentágono, em Washington D.C..

(afp_tickers)

Os Estados Unidos ajudam seus aliados do Sudeste da Ásia para evitar que o grupo Estado Islâmico (EI) se consolide na região, disseram altos funcionários do Pentágono nesta quinta-feira (22).

O grupo extremista já está presente em vários países dessa área, como Malásia, Indonésia, Cingapura e Filipinas, e as autoridades se preocupam tanto com os ataques internos como com os cidadãos que viajam para Síria e Iraque para se unirem ao EI.

O general Joe Dunford, chefe do Estado Maior Conjunto dos Estados Unidos, disse ao comitê dos Serviços Armados do Senado que Washington está ajudando seus aliados compartilhando inteligência e informação sobre grupos extremistas.

"Tentamos trabalhar com eles para desenvolver uma forma em que possamos compartilhar informação e inteligência", disse Dunford em uma audiência diante do comitê.

"Trabalhamos junto com nossos aliados e, francamente, o limite do apoio que concedemos é, muitas vezes, o que eles estão dispostos a aceitar politicamente", acrescentou.

O secretário de Defesa americano, Ashton Carter, disse que na semana que vem irá se reunir com ministros do ramo em uma cúpula no Havaí, e que o grupo EI será um dos assuntos do encontro.

"O Sudeste asiático claramente é um lugar em que (o EI aspira) se expandir", indicou Carter.

Alguns militantes islamistas nas Filipinas liberaram nesta quinta-feira um marinheiro indonésio sequestrado no mar, apenas alguns dias depois de libertar um norueguês e outros três indonésios capturados.

Os sequestradores pertenciam a Abu Sayyaf, uma fraca rede de combatentes que jurou lealdade ao EI, ainda que os analistas digam que o grupo se centra, sobretudo, nos sequestros para obter dinheiro, mais do que na ideologia religiosa.

Na Indonésia, o país com mais muçulmanos do mundo, houve um aumento de ataques e tentativas de ataque no último ano devido ao aumento da influência do EI.

afp_tickers

 AFP