AFP

Equipes de emergência chegam ao local de atentado suicida, em Gaziantep, no dia 20 de agosto de 2016

(afp_tickers)

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o governo americano condenaram neste domingo (21) o atentado suicida que deixou pelo menos 51 mortos em um casamento no sul da Turquia, e Washington ofereceu a Ancara ajuda para combater "o flagelo do terrorismo".

De acordo com o gabinete de Ban, "o secretário-geral condena o atentado terrorista de ontem em uma festa de casamento na cidade de Gaziantep, na Turquia".

A nota diz ainda que o secretário-geral oferece suas "condolências às famílias das vítimas e ao governo e povo da Turquia".

"Os Estados Unidos condenam firmemente o ataque atroz de ontem", disse o porta-voz do Departamento de Estado americano, Mark Toner, em um comunicado.

Já o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Ned Price, declarou que "estamos em estreito contato com as autoridades turcas, e o vice-presidente (Joe) Biden visitará Ancara na quarta-feira, 24 de agosto, para reafirmar nosso compromisso de trabalharmos juntos com a Turquia, nosso apreciado aliado e sócio da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), para enfrentar o flagelo do terrorismo".

Pelo menos 51 pessoas que assistiam a um casamento morreram no atentado de Gaziantep. Segundo o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em declarações neste domingo, foi obra de "um suicida entre 12 e 14 anos que se detonou, ou que levava explosivos detonados a distância".

afp_tickers

 AFP