AFP

O embaixador da Noruega nas Filipinas, Erik Foerner (e), cumprimenta o líder do braço político do Partido Comunista das Filipinas, José María Sison, antes de uma reunião das negociações de paz, em Oslo

(afp_tickers)

O governo filipino afirmou nesta segunda-feira que espera em um ano concretizar um acordo de paz com a rebelião comunista, durante a retomada, na Noruega, das conversações para colocar fim a uma das mais antigas insurreições do mundo.

Depois de meio século de conflito e 30 anos de negociações infrutíferas, os representantes das duas partes se reuniram em Oslo.

O ambiente era receptivo entre Manila e a Frente Democrática Nacional (NDF), vitrine política do Partido Comunista filipino (PCP), e isso graças a várias circunstâncias favoráveis.

Depois de ter assumido o cargo em 30 de junho, o novo presidente filipino Rodrigo Duterte - que se apresenta como socialista - fez da retomada do diálogo com os comunistas uma prioridade. Mencionou, inclusive, a possibilidade de formar um governo de coalizão com eles.

As duas partes esperam acelerar o processo de paz ao debater simultaneamente, ao contrário dos encontros anteriores, os capítulos pendentes da negociação, como as reformas econômicas e sociais, políticas e constitucionais, além do fim das hostilidades.

O chefe das negociações do NDF, Luis Jalandoni, confirmou as previsões de acordo, embora mais prudentemente. "Esperamos que a paz chegue em um ano, apesar disso poder tomar um pouco mais de tempo", explicou.

Em 2011, as duas partes se deram 18 meses para chegar a um acordo. Mas o presidente de então, Benigno Aquino, abandonou as negociações em 2013 acusando a rebelião de falta de sinceridade.

Os comunistas exigiam a libertação de todos os seus integrantes presos, o que o governo recusou.

Como prelúdio das novas negociações, as duas partes concordaram em observar uma trégua a partir de domingo e as autoridades aceitaram a libertação provisória de 17 dirigentes comunistas.

Fundado em 1968, o Partido Comunista das Filipinas lançou três meses mais tarde uma rebelião na qual 30.000 pessoas morreram, segundo cálculos oficiais.

Seu braço armado, o Novo Exército do Povo, contaria hoje com 4.000 integrantes, contra 26.000 nos anos 1980.

A Noruega, que desempenha o papel de intermediário desde 2001, elogiou o ambiente positivo das negociações.

"Sabemos que há temas difíceis e divergências a superar", afirmou o chanceler norueguês Børge Brende. "Mas esperamos sinceramente que sejam feitos progressos no interesse do povo filipino", acrescentou.

As autoridades filipinas também retomaram em agosto conversações com o mais importante grupo rebelde muçulmano do país, para colocar fim a décadas de violência.

afp_tickers

 AFP