AFP

Ivanka, filha de Donald Trump, durante a convenção republicana, em Cleveland, no dia 19 de julho de 2016

(afp_tickers)

Bonita e inteligente, Ivanka é a filha favorita de Donald Trump, e uma de suas armas mais eficazes na campanha, ao ponto de até os adversários mais ferozes do candidato republicano terem pouco a dizer contra ela.

Filha de Trump com sua ex-esposa, Ivana, é ela quem, aos 34 anos, apresentará nesta quinta-feira (21) o candidato republicano à presidência dos EUA antes de seu discurso de aceitação desta responsabilidade, na convenção do partido em Cleveland, Ohio.

E se há alguém que pode ajudar Trump a conquistar votos no eleitorado feminino, majoritariamente hostil ao bilionário, é ela.

Na terça-feira (19), Ivanka esteve presente na convenção em Cleveland junto com sua irmã, Tiffany, e seus irmãos, Donald Jr. e Eric, para acompanhar a votação que selou a nomeação de seu pai como candidato republicano à Presidência.

"É surreal, estou tão orgulhosa do meu pai!", disse Ivanka, visivelmente emocionada, enquanto passava a mão em seus longos cabelos loiros no imenso complexo poliesportivo onde aconteceu a reunião.

Mãe de três filhos, casada com o promotor imobiliário Jared Kushner, por quem se converteu ao judaísmo, Ivanka é vice-presidente de Desenvolvimento e Aquisições das empresas de seu pai, as Organizações Trump.

Formada em economia e empresária ativa, é também criadora de uma linha de roupas e acessórios femininos, e também administra um site na internet onde oferece conselhos para mulheres que trabalham.

Brilhante, elegante e com uma fala pausada, esta nova-iorquina está presente de forma quase permanente na campanha de seu pai, ainda que há pouco fosse amiga de Chelsea Clinton, filha de quem deverá ser a adversária de Trump na campanha eleitoral.

Ivanka fala em algumas reuniões e defende seu pai quando é criticado. Em maio, gerou uma revolta quando afirmou que ele tinha "total respeito pelas mulheres".

Diversas fontes indicam que ela teve um papel ativo na eleição do candidato a vice-presidente, e o senador Bob Corker inclusive chegou a dizer que a própria Ivanka seria uma aspirante formidável ao cargo.

Praticamente todos a veem desempenhando uma função importante em um eventual governo de Trump.

Unificadora

Mas antes disso, Ivanka tem um papel fundamental em atrair o eleitorado feminino, já que de acordo com uma pesquisa recente somente 34% das mulheres apoiam Trump.

Nesta quinta-feira, ela deverá falar das habilidades e qualidades de seu pai, a quem define como um trabalhador incansável, um homem atento, que estimula as pessoas, e exigente com seus filhos apesar de estar pouco presente.

"É divertido, tem um grande senso de humor. Era muito exigente conosco. Tinha grandes ambições para nós, e acredito que tenha nos empurrado para seguirmos nossas paixões", disse ela na quarta-feira à emissora CNN.

De seu pai, ela diz que tem a ambição, mas não a impulsividade, nem a violência. "Os Trump jogam para ganhar", falou.

E ele a escuta? "Às vezes sim, às vezes não, e às vezes apenas por um breve período", apontou. "No final, toma suas próprias decisões", disse Ivanka.

Principal unificadora da equipe, Ivanka gosta de mostrar a imagem de uma família perfeitamente unida, apesar dos três casamentos de seu pai.

Ivanka, por exemplo, foi a primeira a defender a atual esposa de Trump, Melania, a raiz da espetacular polêmica por seu discurso com frases inteiras pegas de uma explanação feita por Michelle Obama há oito anos.

Melania, de 46 anos, tem estado pouco presente na campanha de seu marido.

"Melania é uma mãe incrível", disse Ivanka recentemente a uma revista. "É raro que a esposa de um candidato não participe da campanha todos os dias. Ela tomou essa decisão e eu a respeito completamente, já que é mãe de um filho pequeno, que precisa de estabilidade e rotina", apontou.

afp_tickers

 AFP