AFP

(Arquivo) O cineasta canadense Arthur Hiller, em Hollywood, no dia 24 de março de 2002

(afp_tickers)

O cineasta canadense Arthur Hiller, que, em 1970, dirigiu o famoso filme "Love Story", morreu nesta terça-feira em Los Angeles, aos 92 anos, de causas naturais, anunciou a Academia que entrega o Oscar.

Além de "Love Story", que lhe valeu a indicação ao Oscar, Hiller dirigiu outros trinta filmes, entre os quais "Não podes comprar o meu amor" (The Americanization of Emily), em 1964, e "Um Homem na Caixa de Vidro" (The Man in the Glass Booth), em 1975.

"Estamos muito tristes com a morte do nosso querido amigo Arthur Hiller", escreveu Cheryl Boone Isaacs, presidente da Academia, cargo ocupado nos anos 90 pelo cineasta.

"Integrei o conselho durante sua presidência e tive a sorte de comprovar, em primeira mão, sua devoção pela Academia e sua paixão pela narrativa visual".

Nascido em Edmonton, na província canadense de Alberta, Hiller serviu na Força Aérea Canadense durante a Segunda Guerra Mundial, antes de encarar a carreira de diretor, primeiro na TV canadense e depois em Hollywood.

No final da carreira, liderou o sindicato de diretores de cinema, entre 1989 e 1993, e presidiu a Academia de Ciências e Artes Cinematográficas de 1993 a 1997.

Pai e avô, em 2001 Hiller recebeu o prêmio humanitário Jean Hersholt por suas atividades caritativas, educativas e pelos direitos civis.

afp_tickers

 AFP