AFP

O Nepal não está fazendo o suficiente para acabar com o matrimônio infantil, com mais de uma em cada três meninas casada antes dos 18 anos

(afp_tickers)

O Nepal não está fazendo o suficiente para acabar com o matrimônio infantil, com mais de uma em cada três meninas casada antes dos 18 anos, anunciou a organização Human Rights Watch (HRW).

O casamento infantil é ilegal no Nepal, mas a lei não costuma ser aplicada e o compromisso do governo para acabar com esta prática até 2020 foi recentemente adiado para 2030.

"Muitas crianças no Nepal – tanto meninas como meninos - veem seu futuro roubado com o matrimônio infantil", destaca a especialista em direitos da mulher Heather Barr em um comunicado da HRW.

"O governo do Nepal prometeu melhorar, mas nas cidades e vilarejos do país nada mudou", completou.

De acordo com a HRW, 37% das meninas e 11% dos meninos do Nepal estavam casados com menos de 18 anos.

Muitos deles são obrigados, mas de acordo com um estudo da HRW há um aumento dos casos de matrimônio voluntário. Os menores de idade optam por esta via para fugir do abuso ou da pobreza, ou porque simplesmente desejam escolher o próprio companheiro (a).

"Meus pais queriam que eu casasse com alguém que eles haviam escolhido. Eram dois ou três candidatos. Meus pais gostavam deles, mas eu não", afirmou Sunita Lam, de 16 anos, que acabou fugindo com um homem com o qual havia conversado apenas por telefone.

De acordo com o relatório da ONG, baseado em mais de 100 entrevistas com pessoas que casaram ainda menores de idade, as meninas foram privadas de educação e sofreram violência doméstica.

Muitas foram forçadas a ter filhos quando seu corpo ainda não estava preparado, completa o texto.

"O governo prometeu mudanças. E a mudança tem que começar agora", exigiu Barr.

afp_tickers

 AFP