AFP

Deputado pró-democracia (e) discute com uma colega pró-Pequim

(afp_tickers)

O Parlamento de Hong Kong viveu novamente nesta quarta-feira cenas de caos, quando os partidários de Pequim impediram dois deputados independentistas de prestar juramento.

O clima de tensão é evidente na antiga colônia britânica, onde muitos habitantes têm a impressão de que Pequim está reforçando sua influência.

As eleições legislativas de setembro levaram à eleição de alguns deputados que pedem uma maior autonomia ou a independência da China, dois anos depois das grandes manifestações pró-democracia.

Hong Kong goza de uma semiautonomia em virtude do princípio "Um país, dois sistemas" instaurado durante a entrega do território a Pequim, em 1997.

Na semana passada, durante a inauguração do Conselho Legislativo (LegCo, Parlamento), o juramento de dois novos deputados independentistas, Yau Wai-ching e Baggio Leung, foi rejeitado porque eles seguravam bandeiras que proclamavam "Hong Kong não é China".

O juramento estipula que Hong Kong é uma região administrativa especial da China.

Os dois deputados também se negaram a pronunciar corretamente a palavra China. Yau foi ouvida fazendo um jogo de palavras vulgar às custas de Pequim.

Finalmente, foram autorizados a prestar juramento novamente nesta quarta-feira, mas quando chegou o momento os partidários de Pequim abandonaram o LegCo.

Sua saída levou à suspensão da sessão por falta de quórum, gerando uma briga entre partidários e opositores de Pequim ante o Parlamento.

Os primeiros pediam aos dois deputados que se desculpassem por seu comportamento na semana anterior, algo que os interessados se negaram a fazer.

"Temos um mandato do povo para entrar no LegCo", declarou Baggio, enquanto os pró-Pequim gritavam "Desculpem-se!" e pisavam em seus retratos.

afp_tickers

 AFP