AFP

O presidente americano, Barack Obama, em Washington, DC, no dia 2 de agosto de 2016

(afp_tickers)

O presidente americano, Barack Obama, comutou nesta quarta-feira (3) a pena de 214 condenados por drogas, no maior ato de clemência presidencial em um século.

A Casa Branca disse que Obama concedeu o perdão a um recente grupo de detentos, incluindo 67 condenados à prisão perpétua.

A maioria havia sido declarada culpada de crimes não violentos, muitos deles por posse, ou distribuição de crack.

A decisão presidencial "representa a maior quantidade de solturas autorizadas em um único dia desde pelo menos 1900", disse o conselheiro da Casa Branca Neil Eggleston.

Agora, Obama outorgou 562 anistias, "mais do que os nove presidentes anteriores juntos", lembrou Eggleston.

A resolução faz parte do esforço de Obama de promover a reforma da Justiça penal.

Os Estados Unidos estão entre os países com um dos mais altos índices de população carcerária do mundo, com um número desproporcional de afro-americanos e de latinos atrás das grades.

Uma das razões frequentemente usadas como explicação para esse quadro é a rígida legislação que penaliza o uso do crack, que é mais dura do que para a cocaína.

afp_tickers

 AFP