AFP

Membro de uma ONG espanhola segura um bebê durante uma operação de resgate na costa da Líbia

(afp_tickers)

A ONG Médicos do Mundo denunciou o "mito" sobre os migrantes que viajam para a Europa a fim de aproveitar seu sistema de saúde, em um relatório publicado nesta terça-feira em Bruxelas sobre o acesso aos cuidados médicos das pessoas mais vulneráveis.

"A migração por motivos de saúde não corresponde à realidade, e esse mito deveria ser retirado dos discursos políticos", afirma a ONG, com base em informações de aproximadamente 10.000 pessoas tratadas em suas instalações na Europa. Delas, 94,2% eram migrantes, na maioria não europeus.

O estudo, realizado em cerca de 30 cidades de 11 países da Europa, entre eles Espanha, França, Reino Unido e Suíça, aponta que "somente 3% dos pacientes declararam ter abandonado seu país de origem por motivos de saúde".

De acordo com a ONG, 53,1% disseram ter emigrado por razões econômicas, 20,5% por causas políticas e 13,7% fugindo da guerra.

"O acesso aos cuidados na Europa para os migrantes e refugiados é alarmante", constata a Médicos do Mundo, que lamenta a "incapacidade dos governos europeus de alcançar regras comuns" para acolher melhor os imigrantes.

Considerando todos os tipos de pacientes tratados pela ONG, 40% "precisa de cuidados urgentes ou bastante urgentes"; 73,3% "precisa de um tratamento indispensável" e 51,1% "tem pelo menos uma doença crônica que nunca foi tratada".

Além disso, 67,5% não tem plano de saúde, afirma o relatório, que lamenta especialmente a situação das crianças.

Em um comunicado publicado junto com seu relatório, a Médicos do Mundo pede aos países e instituições europeias "o acesso de todos os sistemas de saúde nacionais" e "condições de acolhida apropriadas de acordo com os padrões mínimos de saúde pública".

afp_tickers

 AFP