AFP

O papa Francisco participa de encontro com ex-prostitutas na Comunidade Papa João XXIII, em Roma, no dia 12 de agosto de 2016

(afp_tickers)

O papa Francisco surpreendeu 20 ex-prostitutas ao bater na porta da casa de acolhida onde vivem, em Roma, para uma visita e uma conversa, com motivo da "Sexta-feira da Misericórdia", informou o Vaticano em um comunicado.

O pontífice, que classificou repetidamente o tráfico humano por trás de parte da prostituição como um "crime contra a humanidade", se sentou com o grupo, que incluía quatro mulheres da Albânia, sete da Nigéria e seis da Romênia. As outras três eram da Itália, Tunísia e Ucrânia, segundo o comunicado.

As moradoras, todas na faixa dos trinta anos, foram acolhidas pela associação católica Comunidade Papa João XXIII após serem resgatadas de redes de tráfico humano para prostituição.

Francisco, de 79 anos, escutou durante mais de uma hora as histórias das ex-escravas sexuais, que "sofreram graves abusos físicos e vivem sob proteção", informou o Vaticano.

A visita ocorreu no âmbito do que Francisco chama de "Sextas-feiras da Misericórdia", nas que realiza atos não programados de piedade, generalmente perto de Roma, durante o ano do Jubileu que convocou em dezembro passado e durará até novembro.

Nos primeiros meses de 2016, o pontífice visitou um lar para idosos e pessoas em estado vegetativo, uma casa de reabilitação para viciados em drogas e um centro de refugiados, antes de viajar, em abril, para a ilha grega de Lesbos, onde visitou requerentes de asilo.

Depois disso, o papa visitou doentes mentais e padres idosos, além de crianças doentes na Cracóvia, onde esteve em julho para a Jornada Mundial da Juventude.

afp_tickers

 AFP