AFP

Os peixes-boi Kai e Junior, em Cingapura, no dia 23 de julho de 2016

(afp_tickers)

Dois peixes-boi nascidos e criados no zoológico de Cingapura deixaram a cidade-estado na segunda-feira rumo à Guadalupe, como parte do primeiro programa de repovoamento do mundo para este mamífero, que foi extinto na ilha caribenha francesa.

Os machos Kai, de sete anos, e Junior, de seis, saíram de Cingapura às 4h50 de segunda-feira (17h50 de domingo em Brasília) para a viagem de 34 horas em um voo de carga fretado da Singapore Airlines, disse o operador do zoológico.

Depois de uma cerimônia de despedida no domingo, que contou com a presença de representantes da embaixada francesa, os peixes-boi, que pesam centenas de quilos, foram levados sobre lonas até caixas abertas feitas sob medida e forradas com uma esponja grossa, em uma operação que envolveu dezenas de funcionários do zoológico.

Os animais serão periodicamente borrifados com água durante a viagem. Dois veterinários do parque nacional de Guadalupe e um aquarista do zoológico de Cingapura estão viajando com eles.

Kai e Junior, que nasceram em cativeiro, serão os primeiros peixes-boi a chegar no Grand Cul-de-Sac Marin, uma baía protegida de 15.000 hectares em Guadalupe, um território ultramarino francês no sul do Caribe.

Outros 13 peixes-boi de diferentes gêneros serão enviados de zoológicos de todo o mundo para se juntar a eles.

Qualquer prole do grupo será lançada na natureza, como parte do programa de repovoamento.

"Estamos felizes de ter a oportunidade de contribuir para o repovoamento (...) dos peixes-boi no Caribe, onde eles não foram avistados em mais de um século", disse Mike Barclay, chefe-executivo da operadora do zoológico de Cingapura, Mandai Park Holdings.

"Projetos como este nos permitem fazer a nossa parte para proteger e conservar a biodiversidade mundial", disse Barclay na cerimônia de despedida.

O programa de repovoamento começou a ser discutido em 2007 em Guadalupe, e incluiu educar a população sobre os animais, disse o consultor do projeto Ray L. Ball à AFP no domingo.

"Você não pode reintroduzir uma espécie animal em um país se as pessoas não querem isso", disse Ball.

Conhecidos localmente em Guadalupe como "maman d'lo", ou mãe do mar, o peixe-boi das Índias Ocidentais era uma parte importante da ecologia do território, antes de ser caçado até sua extinção no início do século XX.

A espécie está listada como "vulnerável" na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza, com a variedade das Índias Ocidentais extinta no Caribe devido à caça excessiva.

O peixe-boi é um animal manso que pode crescer até atingir 4,5 metros de comprimento. Seus habitats naturais são as águas quentes litorâneas, manguezais e estuários onde pastam nas plantas.

afp_tickers

 AFP