AFP

(Arquivo) O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles

(afp_tickers)

A economia brasileira, que passa pela pior recessão em décadas, registrou contração de 0,6% de abril a junho na comparação com o trimestre anterior, anunciou o IBGE.

Este é o sexto trimestre consecutivo de resultado negativo da economia do país, em meio a uma profunda crise que inclui a queda dos preços das matérias-primas e uma intensa lucha política, que nesta quarta-feira deve chegar ao clímax com o praticamente certo impeachment da presidente Dilma Rousseff.

No primeiro trimestre, o PIB registrou queda de 0,4%, um valor revisado pelo IBGE (a primeira estimativa foi de -0,3%).

Em ritmo anual, a queda no segundo trimestre foi de 3,8%. No primeiro semestre, a queda foi de 4% na comparação com o mesmo período de 2015.

O resultado, que em valores correntes é de 1,5 trilhão de reais (US$ 460 bilhões), é 0,53% pior do que o projetado pelo Banco Central há 15 dias.

Com o país rumo ao primeiro biênio de recessão desde os anos 1930, Michel Temer, que assumirá como presidente efetivo após a previsível destituição de Dilma Rousseff, afirma que concentrará seu governo no ajuste da economia.

A equipe econômica liderada pelo ministro da Fazenda Henrique Meirelles - presidente do Banco Central durante o governo Lula (2003-2010)- promete lutar para conter os gastos, flexibilizar as leis trabalhistas e reduzir o custo da previdência.

Tudo aponta para a volta da austeridade para restaurar o equilíbrio macroeconômico. As iniciativas exigem emendas constitucionais.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou em meio ponto percentual a previsão sobre o resultado da economia do Brasil em 2016 (queda de 3,3%) e para o próximo ano (+0,5%). O governo prevê uma baixa de 3,2% do PIB este ano.

afp_tickers

 AFP