AFP

Ingmar de Vos, presidente da Federação Equestre Internacional (FEI) destacou em entrevista à AFP o fato de que o hipismo é o único esporte olímpico no qual homens e mulheres competem como iguais

(afp_tickers)

Ingmar de Vos, presidente da Federação Equestre Internacional (FEI) destacou em entrevista à AFP o fato de que o hipismo é o único esporte olímpico no qual homens e mulheres competem como iguais.

-Como o senhor avalia a importância do hipismo nos Jogos?

"Acho que nossas três modalidades (salto, adestramento e concurso completo) estão no coração dos Jogos, sempre estiveram aqui (desde os Jogos de 1912, em Estocolmo). O nosso principal argumento é o fato de homens e mulheres competirem como iguais. Isso é uma prioridade do Comitê Olímpico Internacional (COI). O que é fantástico é que, às vezes, as mulheres são melhores do que os homens. Estamos totalmente condizentes com as tendências da nossa épica, atendendo os critérios de igualdade".

-O que faz do hipismo um esporte tão especial?

"É um esporte maravilhoso, com um animal único, o cavalo, um parceiro extraordinário, com muitas histórias ara contar. Não é um simples esporte, é uma verdadeira paixão. A conexão com o cavalo é uma prioridade na vida dos cavaleiros. O cavalo, como atleta, tem um status especial. Em alguns países, faz parte dos cinco esportes mais populares.

-Porque esse esporte repercute pouco na mídia?

"Tirando o futebol, vivemos em um mundo muito competitivo para atrair audiência e se posicionar no mundo esportivo. Já sabemos disso faz tempo. Desde 2014, estamos começando a reavaliar nosso formatos. Dois dias de adestramento, com 80 competidores juntos, não é algo que interesse a televisão. Temos rever nosso formatos para torná-los mais acessíveis, não apenas para especialistas.

-Como está andando o projeto de reduzir para de quatro para três os membros das competições por equipes, o que gerou críticas de vários cavaleiros?

"Com a cota de 200 atletas em Olimpíadas, tivemos que dividir o total das três modalidades entre as competições individuais e por equipes. Com o desenvolvimento do nosso esporte, uma das recomendações da Agenda 2020 do presidente do COI, Thomas Bach, é a universalidade, ter o maior número de bandeiras e cada esporte. Os índices de popularidade dos esportes na televisão e nas redes sociais estão sendo cada vez mais avaliados. Temos total interesse em aumentar o número de países para dar acesso a todas as federações nacionais. É um problema quase matemático. Vamos submeter a proposta a nossa assembleia geral em novembro. Estou bastante confiante porque vai no interesse do nosso desenvolvimento".

Declarações colhidas por Astolfo CAGNACCI

afp_tickers

 AFP