AFP

Multidão protesta, em Pamplona, no norte da Espanha, contra estupro na festa de São Firmino, 13 de julho de 2015

(afp_tickers)

Cinco homens acusados de estuprar uma jovem nas festas de São Firmino, em Pamplona, no norte da Espanha, foram postos neste sábado (9) em prisão preventiva por um tribunal de Navarra - informou uma fonte da Justiça.

Com idades entre 25 e 28 anos, os acusados foram detidos pela polícia na última quinta-feira (7), após a denúncia de uma jovem de 19 anos.

Foram detidos por "vários crimes de agressão sexual" contra a vítima, informou à AFP um porta-voz do tribunal de Navarra, acrescentando que os acusados se negaram a testemunhar diante do juiz.

Segundo um comunicado do Tribunal Superior de Justiça de Navarra (TSJN), o juiz considera "muito claro" o relato da vítima e ressalta que, na gravação, "observa-se a participação coletiva de todos eles".

De acordo com os autos do juiz, na madrugada de 7 de julho, os acusados "entraram em contato com a vítima na praça do Castelo e a acompanharam até o carro, onde passava a noite".

No caminho, aproveitando-se de um portão aberto, "os acusados dominaram a jovem 'pelos pulsos' e a obrigaram a entrar. Cercaram-na e, 'valendo-se de sua superioridade física e da impossibilidade' da vítima 'de pedir ajuda', cometeram várias agressões sexuais 'enquanto gravavam os fatos'".

Depois, ainda segundo o tribunal, roubaram o celular da jovem e foram embora.

Nos autos, o juiz justifica a prisão preventiva, devido à "extrema gravidade dos fatos" e à possibilidade de "reiteração criminosa, em vista da própria mecânica dos fatos, cometidos em grupo e utilizando, além disso, meios audiovisuais".

No Código Penal Espanhol, a condenação por estupro oscila entre seis e 12 anos de prisão. A pena pode ser estendida a até 15 anos, dependendo das circunstâncias agravantes.

Anualmente, as tradicionais festas de São Firmino reúnem milhares de turistas espanhóis e estrangeiros. Este ano, a prefeitura lançou uma campanha para garantir "uma festa segura para as mulheres" e "sem agressões sexuais", além de reforçar a segurança nas ruas.

"Nem o uso, nem o abuso do álcool e das drogas justificam uma agressão", diz uma das mensagens da campanha.

afp_tickers

 AFP