AFP

Professores entram em confronto com policiais, em Oaxaca, no dia 20 de junho de 2016

(afp_tickers)

O governo mexicano fechou um "acordo geral" para negociar com os professores uma reforma do ensino que já provocou muitos protestos, incluindo um confronto com policiais que deixou oito mortos em Oaxaca.

O acordo foi anunciado após uma reunião entre autoridades da Secretaria de Governo e a Coordenadoria Nacional de Trabalhadores da Educação (CNTE), ala dissidente do sindicato de professores.

O diálogo entre o governo e a CNTE acontecerá em três mesas de trabalho: política no dia 13 de julho, educativa no dia 19 e social no dia 21.

Os professores dissidentes não aceitam a reforma em vigor desde 2013 que impõe avaliações dos docentes, que rejeitam a medida por acreditarem que não leva em consideração a disparidade social em diversos pontos do país e porque, em sua opinião, leva à privatização da educação.

No dia 19 de junho em Nochixtlán, Oaxaca, aconteceu uma batalha campal entre policiais federais e professores e simpatizantes da CNTE, que bloqueavam uma estrada.

De acordo com a versão oficial, policiais e radicais abriram fogo em uma ação que deixou oito mortos e mais de 100 feridos. Até o momento, as autoridades não esclareceram se as vítimas fatais foram atingidas por balas da polícia.

Outros dois homens - incluindo um repórter fotográfico - foram mortos a tiros no mesmo dia em Juchitán, também em Oaxaca.

afp_tickers

 AFP