AFP

Hillary Clinton discursa em Cincinnati, Ohio, no dia 18 de julho de 2016

(afp_tickers)

Hillary Clinton levou sua campanha para Ohio nesta segunda-feira (18), na tentativa de tirar os holofotes da Convenção Nacional Republicana inaugurada hoje em Cleveland, declarando a ativistas dos direitos civis que Donald Trump não pode ser presidente.

Em evento na convenção da NAACP (Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor), em Cincinnati, Hillary anunciou uma campanha nacional para registrar milhões de novos eleitores para conter Trump. Enquanto isso, a menos de cinco horas de viagem dali, a Convenção Nacional Republicana dava o pontapé na maratona que levará à confirmação da candidatura do polêmico magnata.

Na NAACP, a ex-secretária de Estado descreveu seu rival republicano como uma ameaça à democracia e sem plataforma política, cuja empresa se negava a alugar para negros nos anos 1970.

"Donald Trump é evasivo com a supremacia branca. Donald Trump insulta imigrantes mexicanos... Donald Trump rebaixa as mulheres. Donald Trump quer proibir toda uma religião de entrar em nosso país, e Donald Trump adora falar com a imprensa", atacou.

Hillary disse ainda que os republicanos estão se tornando o "Partido de Trump".

"É uma ameaça à nossa democracia, e tudo isso leva apenas a uma inegável conclusão: Donald Trump não pode ser presidente", vaticinou, ovacionada pela plateia.

"É por isso que temos de trabalhar juntos para fazer as pessoas votarem", afirmou Hillary, ao anunciar uma campanha nacional para levar milhões de pessoas às urnas em 8 de novembro.

Discursos de candidatos à presidência na NAACP são uma tradição, mas Trump rejeitou o convite para comparecer, sem dar explicações. Já a senadora recebeu uma calorosa acolhida, e membros da plateia manifestaram seu desapontamento com a recusa de Trump.

Hillary usou boa parte de sua intervenção para pedir uma reforma da Justiça criminal, o fim do racismo sistêmico e para denunciar o assassinato de policiais como algo totalmente injustificável.

"Essa loucura precisa parar", defendeu, referindo-se aos confrontos recentes no país.

"Temos pela frente um trabalho difícil, doloroso, essencial para reparar os laços entre nossa polícia e nossas comunidades, e entre cada um de nós", completou.

Segundo ela, "o próximo presidente deveria se comprometer a lutar pelas reformas de que precisamos desesperadamente, responsabilizando departamentos de polícia, como o de Ferguson".

Fundada em 1909, a NAACP é a mais antiga e maior organização de direitos civis no país, que luta para pôr fim à discriminação racial.

Ohio é um estado-chave nas eleições e, nele, Trump foi derrotado nas prévias do partido pelo governador John Kasich. A mais recente pesquisa da NBC aponta Hillary e Trump empatados em 39%, com 21% de indecisos.

afp_tickers

 AFP