AFP

(Arquivo) O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro

(afp_tickers)

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, agradeceu ao Uruguai nesta terça-feira (16) por apoiar Caracas no exercício da presidência rotativa do Mercosul, apesar das pressões do Brasil.

"Agradeço ao presidente Tabaré Vázquez, ao povo do Uruguai, à Frente Ampla do Uruguai por toda a força moral que demonstraram", declarou Maduro, em seu programa semanal transmitido pela emissora estatal.

O chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, disse que o Brasil tentou "comprar o voto do Uruguai" na crise pela transferência da Presidência do Mercosul, informou o jornal "El País" nesta terça.

"Não nos agradou muito que o chanceler (José) Serra tenha vindo ao Uruguai para nos dizer — ele tornou isso público, por isso estou contando — com a pretensão de que se suspendesse a transferência e que, além disso, se fosse suspenso, iriam nos levar em suas negociações com outros países, como querendo comprar o voto do Uruguai", disse Nin Novoa ao jornal uruguaio.

O comentário de Serra "incomodou muito" o governante uruguaio, expressou o chanceler, segundo a versão impressa de seu testemunho na Comissão de Assuntos Internacionais da Câmara dos Deputados na semana passada.

"Aqui está a Venezuela, presidente em exercício e membro pleno do Mercosul, e daí ninguém nem nada nos tira", acrescentou Maduro.

Brasil, Paraguai e Argentina se opõem a que a Venezuela assuma a Presidência do bloco, em meio à crise política que o país caribenho atravessa.

Há três semanas, o Uruguai pôs fim a seu período de seis meses à frente da Presidência do bloco e defendeu que a Venezuela, a próxima por ordem alfabética, a assumisse.

"Vamos lutar para salvar o Mercosul", garantiu Maduro.

afp_tickers

 AFP