Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro licenciado Alexandre de Moraes

(afp_tickers)

O Senado aprovou nesta quarta-feira a designação para o Supremo Tribunal Federal (STF) de Alexandre de Moraes, ex-ministro da Justiça do presidente Michel Temer, no momento em que o tribunal examina acusações contra políticos pelo escândalo da Lava Jato.

A entrada do verborrágico e polêmico jurista de 48 anos no STF provocou críticas dos legisladores da oposição e despertou suspeitas, na antessala do que se espera que seja uma nova onda de acusações pelo escândalo de corrupção da Petrobras, que se estende por três continentes.

"Está aprovada a designação de Alexandre de Moraes ao STF", disse o presidente do Senado, Eunicio Oliveira - do PMDB - depois de ler o resultado de 55 votos a favor e 13 contra, sem abstenções.

Na terça-feira, Alexandre de Moraes respondeu a uma sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado por mais de onze horas, focadas em sua filiação ao PSDB e sobre sua imparcialidade quando precisar julgar os desvios multimilionários da Petrobras à política, que atingiram Temer e alguns de seus assessores. "Atuarei com absoluta independência, absoluta imparcialidade", disse.

Alexandre de Moraes ocupará o assento que ficou vago após a morte em um acidente aéreo de Teori Zavascki, que tramitava os casos de políticos com foro privilegiado da "Operação Lava Jato".

Mas Alexandre de Moraes não assumirá o trabalho deste processo que, por sorteio, ficou nas mãos do juiz Edson Fachin.

O agora ex-ministro, que investigou uma célula que planejava atentados durante os Jogos Olímpicos do Rio-2016, afirmou na terça-feira que sua atuação no STF não refletirá "agradecimento ou favor político" com o governo.

Insolitamente, precisou esclarecer que não cometeu plágio em sua tese de doutorado e que não havia atuado como advogado particular da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), de São Paulo.

"Não tenho nada contra quem exerce a advocacia, em relação a qualquer cliente, inclusive o PCC. A justiça só pode julgar se tiver uma defesa técnica. Mas eu jamais fui advogado do PCC e de ninguém ligado ao PCC", afirmou.

Alexandre de Moraes começou sua carreira como funcionário público em 2002 como secretário de Justiça em São Paulo, durante um governo do PSDB, o primeiro dos vários cargos que ocupou nesta cidade antes de entrar no governo federal, em 2016.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP