Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Arquivos da Rádio Suíça Internacional Dia Mundial da Cruz Vermelha: 8 de maio

Banner arquivos históricos da Rádio Suíça Internacional

(swissinfo.ch)

Por ocasião do Dia Mundial da Cruz Vermelha, os jornalistas Luiz Amaral e Janos Lengyel explicam o funcionamento dessa famosa entidade baseada em Genebra em um programa transmitido em 1971 para os ouvintes da antiga Rádio Suíça Internacional (RSI).

A ideia da Cruz VermelhaLink externo surgiu na mente de Henri Dunant em 8 de junho de 1859, no norte da Itália, quando da Batalha de Solferino. Depois de presenciar os horrores da guerra escreveu o livro Recordações de Solferino, publicado em 1862, propondo soluções para o problema: sociedades nacionais de socorro e conclusão de convênios. 'Uma ideia maravilhosa' diz Jacques Moreillon esta de colocar o homem acima 'de todas as outras coisas.'

Com a realização de uma conferência internacional, em Genebra, o ano de 1863 foi decisivo para a fundação da Cruz Vermelha. Os 16 países participantes lançaram as bases de uma assistência mais segura e neutra aos feridos nos conflitos. Um ano depois, um convênio assinado em Genebra, visando amenizar o sofrimento dos militares feridos na luta, foi ratificado por 50 países. Entre as atividades da Cruz Vermelha: assistência aos feridos nos campos de batalha além de socorrer vítimas de bombardeios, civis e militares; intercâmbio de prisioneiros; busca de desaparecidos

Visitando prisões, os delegados verificam se os detidos são tratados corretamente. Em casos de catástrofes naturais, a Cruz Vermelha também entra em ação proporcionando roupas, remédios e abrigos provisórios. Participa também de combate à fome e epidemias e presta socorros de urgência em dispensários.

Quanto ao funcionamento, se o Comitê Internacional (CICR - CICV) realiza atividades de 'cúpula' (orientação política), é a Liga das Sociedades da Cruz Vermelha que entra em ação, lembra Janos Lengyel. A Liga é a federação de todas as sociedades do ramo: Lua Crescente Vermelha, Leão e Sol Vermelhos. Na época, 113 sociedades nacionais integravam a Liga, com 224 milhões de aderentes.

Entre os requisitos para entrar na Liga: reconhecimento pelo CICV e pelos respectivos governos, através de ratificação ou assinatura da Convenção de Genebra. A Liga foi fundada em 5 de maio de 1919, por iniciativa de Henry P. Davison, no sentido de coordenar e intensificar o esforço fornecido durante a Primeira Grande Guerra em benefício dos prisioneiros e combatentes.

No pós-guerra, predominaram preocupações com saúde pública das populações sacrificadas. A direção da Liga é formada pelo Conselho dos Governadores, integrado por um representante de cada Sociedade. O secretariado permanente está sediado em Genebra e compõe-se de um setor socorros de urgência, administração geral e informação, setor operacional, etc. Trata sempre de questões de interesse geral para as Sociedades. As realizações da Cruz Vermelha são inúmeras.

No ano de 1970, foram inauguradas duas novas delegações regionais: em Iaundê e Addis Abeba. Nesse ano, um fato marcante foi o fim da guerra na Nigéria, a viagem de uma delegação na Amazônia, em visita aos índios do Brasil, com participação de médicos da Holanda, Alemanha e Suécia. Na Ásia foram visitados prisioneiros em Hong Kong, Filipinas, Indonésia, Vietnã e Laos. Assinala-se também a árdua assistência aos refugiados vietnamitas no Camboja.

O CICV interveio ainda na Coréia do Norte para libertar 39 pessoas de um avião sequestrado. Na Europa, voltou sua atenção para prisioneiros políticos na Grécia. Assinalem-se ainda intervenções em Aden, Síria, Jordânia, no conflito arabo-israelense para assistir prisioneiros ou libertar reféns. Por fim, são citados elogios de personalidades mundiais relativos à Cruz Vermelha Internacional, como U Thant, John F. Kennedy, Indira Gandhi, Romain Roland, Albert Scheizer, Paul-Henri Spaak.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.