Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Arquivos da Rádio Suíça Internacional Uma visita turística em áudio por Genebra

Banner arquivos históricos da Rádio Suíça Internacional
(swissinfo.ch)

O berço de Calvino, o religioso responsável pela Reforma Protestante. Em um programa transmitido em 1977, o jornalista Luiz Amaral conta em áudio a história de Genebra para os ouvintes da Rádio Suíça Internacional (RSI).

A reportagem, iniciada com breve prelúdio musical, coloca os locutores na ponte Mont Blanc, centro de Genebra, tendo, de um lado, o lago e, de outro, o rio Ródano, com a cidade às duas margens. O famoso jato d'água lança meia tonelada de água por segundo à altura de 146 m a 200 km/h. Genebra, a antiga "Roma Protestante", é o "berço da Cruz Vermelha e uma encruzilhada das nações."

Distingue-se também como sede europeia da ONU, por seus bancos, sua relojoaria, seus parques. Após rápido intermédio musical, fala-se da história de Genebra que começa há mais de 2 mil anos. No início do cristianismo já é um conhecido entreposto comercial, um centro que Carlos Magno dota de uma administração. Foi dominada por Borgonha, floresceu no começo do século XV, mas sofreu reveses com a descoberta do caminho marítimo para as Índias e a descoberta da América. Calvino chega pela primeira vez a Genebra em 1530. Em 1602, Sabóia tenta escalar a cidade, em vão, o que deu a festa da "Escalade". Em 1815, Genebra ingressa na Confederação Helvética.

Breve intermédio musical precede um giro pela cidade, a começar pela parte mais antiga, onde se encontra a igreja da Madalena, na qual o espanhol Michel Servet foi preso e condenado à fogueira. Faz-se referência ao Museu de Arte e História, a Liotard, "o mais conhecido pintor genebrino", a diferentes ruas que tiram seus nomes de artesãos que nelas trabalhavam, à residência de Calvino e à casa onde nasceu Rousseau. Quanto aos monumentos, alude-se ao Muro dos Reformadores, place Neuve, Palais Eynard, Grand-Théâtre, Museu Rath.

A novo intermédio musical segue-se exaltação das belezas do lago Léman, que inspiraram pintores, poetas, pensadores e romancistas: Corot, Turner, Chateaubriand, Byron, Goethe, Victor Hugo, Alfred de Musset, Balzac, Sthendal e Dostoievski. Quanto à culinária genebrina, são citados: filé de perca, truta azul, faisão, galinhola, cabrito montês. Assinala-se em seguida que em Genebra vivem muitos brasileiros e portugueses, como Beatriz Consuelo, da Escola de Balé do Grand-Théâtre, e Valmon de Oliveira, estudante de psicologia.

Beatriz elogia a qualidade de vida genebrina, as comodidades por tudo estar perto. Valmon, há 4 anos na cidade, diz ter realizado suas aspirações: estudar psicologia em Genebra e beneficiar-se do legado de Piaget. Segundo ele, os contatos nos meios estudantis são fáceis e em Genebra as ideias podem circular livremente. Consuelo reclama da falta de feijão preto, que deve fazer vir do Rio de Janeiro. Intermédio musical precede a apresentação da margem direita: Hotel des Bergues, estação ferroviária Cornavin, Basílica de Notre-Dame.

Lembra-se que a Liga das Nações fracassou, mas que a ONU instalou seu escritório europeu no Palácio das Nações. Apontam-se a sede da Cruz Vermelha, o Jardim Botânico, fala-se de A-P. Candole, do BIT, o CERN, o Conselho Mundial das Igrejas. Para Pierre Sublet, o genebrino é falador e reservado, tradicional e de boa família. Após trecho musical, lembra-se que Stendhal e o Papa Félix V caricaturizam o genebrino. Margot Lenard, brasileira, acha que o genebrino é introspectivo, mas se comunica bem, desde que você dê o primeiro passo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.