Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Asilo Solidariedade europeia dá as costas aos imigrantes

Em setembro de 2015, os países da UE comprometeram-se em acolher 160 mil imigrantes que chegaram na Grécia e na Itália. Até agora, apenas 870 foram efetivamente "relocados". Nenhum deles na Suíça, onde os primeiros requerentes de asilo - de um contingente de 1500 – começam a chegar em março.

Enquanto os países da UE se reúnem em Bruxelas para uma cimeira extraordinária sobre a nova crise migratória, o plano de deslocalização decidido em outubro passado parece agora enterrado.

Os países europeus estão cada vez mais voltando atrás, e não são só os do leste. O momento agora não é de solidariedade, mas de ação unilateral, fechamento de fronteiras, acusações mútuas e ameaças de exclusão contra a Grécia, cada vez mais abandonada a si mesma.

Cinco meses após o acordo, o balanço é extremamente ruim: 336 requerentes de asilo foram transferidos da Itália e 534 da Grécia. E o número de vagas de acolho disponíveis é de apenas 6 mil. Além disso, os compromissos assumidos por cada país nem sequer correspondem a 2/3 da cota de 160 mil imigrantes fixada pela UE em outubro. Ainda faltam 60 mil a serem distribuídos, enquanto que, desde o início do ano, o fluxo de migrantes chegando pelo Mediterrâneo aumentou em mais 133 mil pessoas.

(swissinfo.ch)

Em Berna, a situação parece desbloquear. "A Suíça vai acolher 600 requerentes de asilo da Grécia e 900 da Itália", declarou a Secretaria Federal de Migrações ao jornal "NZZ am Sonntag". De acordo com a ministra da Justiça, Simonetta Sommaruga, os primeiros membros deste contingente devem chegar no mês de março.

Em outubro, o governo suíço tinha se comprometido em acolher 1500 requerentes de asilo registrados na Itália e na Grécia. Um gesto de solidariedade bem medido, já que este número havia sido subtraído da cota de 3 mil sírios que deveriam conseguir refúgio na Suíça através do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

O gráfico abaixo mostra as promessas feitas por diversos países europeus e o número de requerentes realmente transferidos até agora. A deslocalização é apenas para pessoas que têm uma boa chance de conseguir o estatuto de refugiado. Oportunidades iguais ou superiores a 75%, com base em cálculos da Eurostat, a secretaria de estatísticas da UE. São essencialmente, sírios, iraquianos e eritreus.

migr

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.



Entre em contato com os autores deste artigo via Twitter @duc_qnLink externo@stesummiLink externo 


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.