Atletas russos estão "impacientes" para poder competir como 'neutros'


 AFP

Maria Kuchina está entre os atletas russos que pretendem competir sob bandeira neutra

(afp_tickers)

Dezenas de atletas russos esperam pela autorização da Federação Internacional de Atletismo (Iaaf) para poderem competir sob bandeira neutra, informou nesta terça-feira a Federação Russa de Atletismo (Rusaf), a dez dias do Campeonato Europeu indoor, em Belgrado.

O atletismo russo, no centro de um grande escândalo de doping e corrupção, foi suspenso pela Iaaf em novembro de 2015.

Os atletas russos foram excluídos dos Jogos Olímpicos do Rio-2016, após a investigação da Agência Mundial Antidoping (Wada), e do Mundial de atletismo de Londres, que será disputado em agosto de 2017. A Iaaf afirmou em fevereiro que ainda faltavam algumas etapas essenciais para que o atletismo russo voltasse à legalidade.

Os atletas russos, caso respeitem as exigências impostas pela Iaaf, ainda podem esperar competir internacionalmente como 'neutros'.

Em coletiva de imprensa, o presidente da Rusaf, Dimitri Chliaktine, explicou que 33 atletas enviaram pedidos para serem considerados 'neutros' à Iaaf, e outros 11 cogitam fazer o mesmo.

"Após todo esse tempo, ainda esperamos a resposta da Iaaf", declarou.

Presente nesta mesma coletiva de imprensa, a campeã do mundo do salto em altura em 2015, Maria Kuchina, afirmou esperar receber o aval da Iaaf antes do Campeonato Europeu Indoor, que será disputado em Belgrado entre 3 e 5 de março.

"Fizemos um grande trabalho para chegar a este resultado", declarou Maria Kuchina, autora da melhor marca da temporada com um salto de 2,03 m no Campeonato Russo indoor, uma performance não reconhecida pela Iaaf.

"Estamos prontos para ir a qualquer momento. Estamos todos treinando e aguardando uma resposta", completou a atleta.

Ivan Ikhov, campeão olímpico do salto em altura em 2012, Sergei Shubenkov, campeão do mundo nos 110 m com barreiras em 2015, e Lukman Adams, campeão do mundo indoor do salto triplo em 2014, também apresentaram pedidos para poder competir sob uma bandeira neutra.

AFP

 AFP