Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Babel em Berna A arte dos intérpretes em um parlamento poliglota

Quatro vezes por ano, políticos que falam alemão, francês, italiano e romanche reúnem-se em Berna para debater e votar uma série de questões. Para um dos intérpretes oficiais do Parlamento suíço, garantir que todos possam compreender o que se está acontecendo é desafiante, estressante, mas gratificante. 

Interpeting booths in the House of Representatives

As cabines dos intérpretes na Câmara dos Deputados

(Keystone)

"Fiquei muito nervoso na primeira vez", conta Hans Martin JörimannLink externo na sua cabine com vista para a Câmara dos Deputados. 

"Fiquei mais impressionado com o contexto e todo o jargão específico do que com os discursos proferidos. Demorei algum tempo para ultrapassar essa selva de termos. Mas uma vez que você passa por ela, você pode se concentrar no que está sendo dito. Uma vez que você entende como funciona, é muito mais fácil". 

Há 14 anos que Jörimann traduz simultaneamente do francês e italiano para o alemão as sessões do Parlamento suíço. 

View from an interpreting booth in the Swiss parliament

Cabine com vista: Hans Martin Jörimann (esquerda) em ação

(swissinfo.ch)

"É extremamente útil ter contato visual para interpretar o que está sendo dito, pois aqui tem muitos gestos. Você também pode ver quem está se preparando para fazer uma pergunta lá embaixo". 

Há três cabines de interpretação com vista privilegiada sobre a sala de debates do Parlamento: uma para o alemão, uma para o francês e uma para o italiano. Cada cabine abriga três intérpretes, que trabalham em turnos de 45 minutos. No entanto, como a maioria dos discursos é feita em alemão ou francês (menos de dez dos 200 deputados têm o italiano como língua materna), praticamente tudo tem que ser interpretado para o italiano. O estande italiano lida com esta carga de trabalho adicional com turnos mais curtos de 30 minutos. 

A quarta língua nacional da Suíça, o romanche, só é fornecida se for solicitada com antecedência. 

"Em 2017, um dos deputados perguntou se poderia dizer algumas palavras em romanche. Dissemos que poderíamos fazer se recebêssemos o texto e pudéssemos prepará-lo, e foi o que fizemos", disse Jörimann, que vem do cantão de língua romanche, os Grisões, e cuja mãe é uma das cerca de 50.000 pessoas que falam a língua no país.

Não há serviço de interpretação no Senado. Uma comunicação parlamentar de 2014 observa que "os membros [do Senado] rejeitaram pedidos de intérpretes em várias ocasiões porque os cidadãos esperam que os membros do [Senado] sejam capazes de compreender os debates em pelo menos uma outra língua nacional". 

Da mesma forma, as comissões parlamentares não são traduzidas, com as autoridades argumentando em 2007 que "a Suíça (nasceu) de uma vontade comum de compartilhar o mesmo destino: cada parlamentar federal tem um dever claro de esforçar-se para compreender a língua, a cultura, as atitudes dos outros, de onde quer que venham. ... [Isto] pressupõe que os membros são capazes de superar as barreiras linguísticas nas discussões face a face". 

Quantos deputados utilizam realmente as competências dos intérpretes? "O número de pessoas sentadas durante um debate normal não é tão impressionante - talvez um terço dos membros pegue nos fones. Mas há pessoas que os utilizam sistematicamente", afirma Jörimann. 

Todos os nove intérpretes parlamentares são freelancers com contratos para os 55 dias por ano em que o Parlamento se reúne. Cada intérprete entre em ação durante cinco horas por dia.

Traduções automáticas 

Embora se possa pensar que os intérpretes serão sempre necessários enquanto as pessoas falarem línguas diferentes, a tecnologia informática está avançando rapidamente. Os computadores já podem traduzir textos muito melhor do que há alguns anos atrás e a tecnologia de voz também é assustadoramente impressionante. Será que isso preocupa Jörimann? 

"Até certo ponto, sim. A maioria dos intérpretes segue o que está acontecendo e você pensa 'bem, ainda vai demorar mais 20 anos até que isso aconteça'", diz.

"E pode ser assim. Mas, honestamente, não tenho certeza do que pode acontecer primeiro: o inglês se tornar a língua franca - o que significaria que somos supérfluos de qualquer maneira - ou a tecnologia informática avançar a tal ponto que poderia nos substituir". 



Multilinguismo Os quatro idiomas da Suíça

A Suíça tem quatro idiomas nacionais: francês, alemão, italiano e reto-romano. O inglês, embora não seja uma língua oficial, é frequentemente ...


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.