Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Bunkers para todos

Uma imagem familiar para qualquer suíço: a entrada de um abrigo nuclear

(RDB)

A Suíça é o único pais do mundo com abrigos nucleares, capazes de acomodar toda sua população, caso um dia isso seja necessário.

"Mas porque seria necessário uma porta blindada na entrada da adega de seu apartamento?" Dá para compreender o espanto do amigo italiano ao visitar o edifício. Ele nunca havia entrado em local semelhante.

Adega? Bem, o espaço está meio cheio de garrafas de vinho, livros velhos, um freezer e roupas usadas ... mas, isto não é uma adega. Nosso amigo simplesmente se viu, pela primeira vez, diante do que é nosso abrigo atômico.

Com uma grossa porta blindada, um sistema próprio de ventilação e filtro contra gases, os cerca de 25 condôminos de nosso prédio sobreviveriam, mesmo que acontecesse algo terrível como uma explosão nuclear.

Esses suíços! Paranóicos e obcecados por segurança! - é o que nosso amigo deve ter pensado. E provavelmente há um fundo de verdade nessa sua maneira de pensar. Basta dizer que o suíço gasta mais do que qualquer outra nação no mundo (mais de 20% de seu orçamento) para se garantir contra tudo e contra todos. Além disso, há outra razão bem mais simples: trata-se de uma exigência legal.

Espaço para toda a população

"Da mesma forma que cada cidadão deve ter um abrigo, que, de sua residência, possa ser alcançado rapidamente", os "proprietários de apartamentos são obrigados a construir refúgios em todos os novos edifícios", de acordo com os arts. 45 e 46, da Lei Federal Suíça sobre Proteção Civil.

Esta é a razão pela qual a maioria dos edifícios construídos a partir da década de 60 (a primeira lei sobre o assunto foi aprovada em 4 de outubro de 1963) já possui abrigo atômico. Em 2006, havia 300 mil abrigos em residências, instituições e hospitais, bem como 5.100 abrigos públicos, proporcionando proteção para um total de 8.6 milhões de cidadãos – um grau de cobertura de 114%.

Campeões Mundiais

Se construir abrigos atômicos fosse uma prova olímpica, a Suíça, com certeza, ganharia medalha de ouro. Basta dar uma rápida olhada, mundo a fora, para se ter certeza de que ninguém rivaliza com ela nesse aspecto.

Os mais próximos competidores são a Suécia e a Finlândia. Mas, com 7,2 e 3,4 milhões de lugares protegidos respectivamente (representando uma cobertura de aproximadamente 81% e 70%, respectivamente), conseguiriam no máximo uma medalha de prata.

A situação nos outros países europeus não chega aos pés da Suíça. Na Áustria, por exemplo, a cobertura é de 30 por cento, mas a maioria dos abrigos não têm um sistema de ventilação. Na Alemanha, o nível nacional de cobertura não passa de três por cento.

Em áreas fora da Europa, abrigos são comuns na China, Coréia do Sul, Cingapura, Índia... e alguns outros países. Mas em índices de cobertura não ultrapassam os 50 por cento.

Em Israel, existem abrigos para dois terços da população, porém, em muitos casos, estas estruturas são simplesmente proteções em concreto com aberturas. Portanto, sujeitas a chuva radioativa.

Idade de ouro

A construção sistemática de abrigos atômicos na Suíça, durante a segunda metade da década de 60, foi provocada pelo receio generalizado de um ataque nuclear e pelo fantasma de uma invasão soviética. "A neutralidade não dá garantias contra a radioatividade", era um dos slogans da campanha na época.

A construção de abrigos atingiu seu pico em meados da década de 70, com uma média anual entre 300 mil e 400 mil lugares protegidos. Atualmente, esse volume gira em torno dos 50.000 anuais.

Durante alguns anos, a Suíça ostentou, orgulhosamente, a marca de possuir o maior projeto da proteção civil em todo o mundo: No túnel de Sonnenberg, em Lucerna, era possível abrigar até 20.000 pessoas.

Nos sete níveis acima do túnel, inaugurado em 1976, havia um hospital, um teatro operacional, um estúdio de radio, um centro de comando ... Entretanto, essa infra-estrutura, abandonada em 2006, era deficiente sob vários aspectos. As portas, por exemplo, tinham 1,5 metros de espessura e pesavam 350 mil quilos, mas não fechavam hermeticamente.

E os construtores não levaram em conta um outro dado muito simples: os grandes problemas psicológicos e de logística, diante de uma enorme concentração de pessoas.

Políticas inalteradas

Com o fim da Guerra Fria e uma nova situação, na política de segurança, muitos países introduziram mudanças radicais na sua filosofia de proteção. Por exemplo, na Noruega, em 1998, as autoridades revogaram legislação relativa à construção de abrigos atômicos.

Mas, na Suíça, não houve mudanças. Em 2005, um parlamentar (Pierre Kohler) apresentou projeto suspendendo a obrigatoriedade de construir abrigos em residências particulares. Ele salientou a inutilidade dessas "relíquias do passado", as quais, certamente, aumentariam os custos de construção de residências.

No entanto, após análise da situação, o governo concluiu que eles ainda eram úteis, não só em caso de conflito armado, mas também no enfrentamento de um possível ataque terrorista com "armas perigosas", acidentes químicos e as catástrofes naturais. Portanto, os abrigos atômicos continuarão a ter um futuro brilhante na Suíça.

Daniele Mariani, swissinfo.ch
traduzido do italiano por J.Gabriel Barbosa

Compensações

Construir um abrigo em uma residência particular custa cerca de CHF10.000 ($ 9.370). Pessoas com uma casa já construída não são obrigadas a incluir um abrigo.

Se decidirem não construí-lo, devem pagar CHF1.500 para cada lugar em um abrigo, na base de dois lugares para cada três quartos.

Entre a introdução do presente regulamento em 1979 e 2006, as municipalidades arrecadaram 1.3 bilhões de francos e gastaram 750 milhões para a construção de abrigos públicos. O restante da verba ainda não foi utilizado.

O governo quer reduzir à metade os pagamentos obrigatórios.

As pessoas que têm abrigos estão autorizadas a usá-los para outros fins, como armazenamento, desde que mantidos em boa ordem.

Nos últimos anos, alguns abrigos públicos têm sido utilizados como alojamento temporário para os requerentes de asilo.

Aqui termina o infobox

Custos elevados

Em 2006, a Suíça possuía cerca de 300.000 abrigos nucleares em residências, instituições e hospitais, com cerca de 7.5 milhões de lugares, bem como 5.100 abrigos públicos (1.1 milhões de lugares).

Os custos anuais para a construção, manutenção e demolição dos abrigos totalizaram CHF167.4 milhões em 2006. Deste montante, 128.2 milhões foram decorrentes de contribuições particulares, e o restante, pelas comunidades (CHF 23.5 milhões), pela Confederação (CHF 9.8 milhões) e pelos cantões (CHF 4.2 milhões).

O valor total de abrigos soma CHF11.8 bilhões.

Aqui termina o infobox

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.