Cardeais de vários países dão apoio ao papa após ataques anônimos de conservadores


 Reuters internacional

Papa Francisco saúda fiéis na Praça São Pedro. 12/02/2017. REUTERS/Max Rossi

(reuters_tickers)

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - Importantes cardeais católicos de vários países do mundo defenderam o papa Francisco nesta segunda-feira contra uma série de ataques recentes de conservadores questionando a sua autoridade.

Numa ação pouco comum, nove cardeais de um grupo que aconselha o papa sobre reformas econômicas e estruturais no Vaticano divulgaram um comunicado manifestando “apoio total ao trabalho do papa” e garantindo “respaldo total ao papa e seus ensinamentos”.

O comunicado foi pouco comum pois os cardeais --da Itália, Chile, Áustria, Índia, Alemanha, Congo, Estados Unidos, Austrália e Honduras-- costumam divulgar comunicados no final dos seus encontros, que ocorrem quatro vezes por ano.

O comunicado afirmou que os cardeais manifestaram a sua solidariedade ao papa “diante dos eventos recentes”, que segundo fontes do Vaticano foi uma referência clara aos ataques.

Em 4 de fevereiro, ativistas não identificados colaram cartazes em Roma criticando o papa por medidas consideradas contra os conservadores da Igreja Católica.

Eles tinham a imagem do pontífice e o slogan: “Onde está a sua piedade?”

Os cartazes acusavam o papa por atos polêmicos, incluindo o que eles chamava de “a decapitação dos Cavaleiros de Malta”.

Reuters

 Reuters internacional