Análise genética Caça aos lobos no laboratório


Por
Zeno Zoccatelli


Os lobos retornaram à Suíça há mais de 20 anos, mas o debate sobre sua presença não mostra o menor sinal de abate entre os políticos ou a mídia. Enquanto falar sobre esses animais é fácil, é muito mais difícil controlar seus movimentos e números exatos.

Dezessete ovelhas mortas em Cama, cantão dos Grisões, em 8 de fevereiro de 2017. O principal suspeito é um lobo, mas a análise do DNA é necessária para confirmar isso.

Dezessete ovelhas mortas em Cama, cantão dos Grisões, em 8 de fevereiro de 2017. O principal suspeito é um lobo, mas a análise do DNA é necessária para confirmar isso.

(RSI-SWI)

Observar lobos é difícil, capturá-los é quase impossível. O estudo de como suas populações evoluem é baseado na análise genética dos traços que deixam, por exemplo, pelos, excremento e saliva.

É uma tarefa longe de ser simples, que Luca Fumagalli, diretor do Laboratório de Biologia de Conservação da Universidade de Lausanne, vem realizando nos últimos 15 anos a mando da Secretaria Federal do Meio Ambiente da Suíça.

Todas as semanas, a KORALink externo, uma organização de defesa da vida selvagem baseada no cantão de Berna, envia amostras recolhidas para o laboratório da universidade. A primeira pergunta que Fumagalli e seus assistentes se fazem é se o DNA das amostras pertence a um lobo.

Se a resposta for sim, outras análises são realizadas para determinar se eles estão lidando com um indivíduo previamente identificado. Os resultados são então enviados para a secretaria do meio ambiente e os cantões, que usam esses dados como necessário.

Os dados permitem aos cientistas estimar o número mínimo de lobos em solo suíço de acordo com a região.

Origens

Os lobos desapareceram na Europa ocidental durante os séculos XIX e XX. Mas não em todos os lugares: pequenas populações sobreviveram na Itália, por exemplo, na Cordilheira dos Apeninos.

A partir daí, começaram a aumentar seus números na década de 1970. Esta recolonização natural viu os primeiros lobos chegarem nos Alpes franceses no final dos anos 80 e na Suíça em meados dos anos 90.

Os lobos estão atualmente presentes em todos os Alpes, mas todos possuem a variante genética típica das populações selvagens italianas, o que prova sua origem.


Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

×