Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Comércio de armas


Suíça exporta menos armamento




Os fabricantes suíços de equipamentos militares exportaram um total de 446,6 milhões de francos em 2015. 100 milhões a menos do que no ano anterior. Os principais países de destino são Alemanha, Indonésia e Estados Unidos. No entanto, países mais problemáticos também entraram na lista.

O balanço de 2015 não surpreendeu as empresas suíças do setor de armamento: por um lado, as exportações diminuíram em 21% em relação a 2014, mas, por outro, o volume de novas licenças aumentou 35%, alcançando 769 milhões de francos.

A diferença entre os dois valores é explicada pelo fato de que alguns produtos são exportados apenas anos mais tarde, explica a Secretaria de Estado da Economia (SECO) em um comunicado. O material de guerra representa 0,16% do total das exportações suíças.

Os principais países de destino foram a Alemanha (130,3 milhões de francos), a Indonésia (44,2), os EUA (26,3) e a Itália (24,4). A Alemanha comprou principalmente munições e veículos blindados.

Na lista dos 71 países que adquiriram material de guerra suíço também estão alguns países “problemáticos”. A lei suíça prevê a proibição da exportação de armas para países envolvidos em conflitos armados ou que violam sistematicamente os direitos humanos. Por esta razão, a SECO rejeitou no ano passado 15 pedidos de transações com vários países da Ásia, África, Oriente Médio e Europa Oriental.

No entanto, em 2015, a Suíça exportou material de guerra para a Arábia Saudita (5,8 milhões) e os Emirados Árabes Unidos (8,1), dois países envolvidos no conflito entre rebeldes xiitas Houthis e as forças governamentais iemenitas. 

Na semana passada, a maioria da Comissão de Política de Segurança do Conselho Nacional (câmara dos deputados) rejeitou a ideia de uma moratória geral sobre a exportação de armas para países envolvidos neste conflito.

"Um embargo geral da exportação só seria apropriado se ele fosse ordenado por sanções da ONU, da OSCE ou de outros parceiros importantes da Suíça. O que, contudo, não é o caso do conflito no Iêmen", disse a SECO.

Quanto às importações, o principal país comprador de material de guerra do mundo é a Índia (14% do total). O que é mais impressionante, no entanto, é o rearmamento importante dos países da Península Arábica e do Oriente Médio, onde as importações totais aumentaram 61%. 

Na Arábia Saudita (o segundo maior comprador depois da Índia), as importações saltaram em 275% em relação ao período 2006-2010; no Qatar, o aumento foi de 279%, enquanto que nos Emirados Árabes Unidos foi de "apenas" 35%.


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×