Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Cooperação científica Programa suíço mantém aposta em projetos inovadores no Brasil

A cooperação entre a Suíça e o Brasil na área de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) segue firme com a realização da quinta edição do Academia Industry Training (AIT). O programa do governo suíço levará jovens cientistas e pesquisadores brasileiros para um trabalho de campo em abril na Suíça.

Grupo posando para uma foto

O grupo de jovens pesquisadores brasileiros posando para uma foto com o Corcovado e o Cristo Redentor ao fundo.

(swissinfo.ch)

O programa do governo suíço que busca o intercâmbio com cientistas e pesquisadores brasileiros de ponta - e a inserção destes no mercado de trabalho - vai muito bem, obrigado. Ferramenta primordial para a construção de uma maior aproximação entre Suíça e Brasil no campo da cooperação científica e tecnológica, o Academia Industry Training (AIT) Link externojá está em sua quinta edição e continua apostando no potencial de inovação brasileiro, apesar do período de incerteza política e econômica vivido pelo país nos últimos anos.

"Através do AIT e de outras iniciativas, as conexões entre a Suíça e o Brasil nas áreas de pesquisa, inovação e educação seguem firmes", diz João Silveira, manager de Projetos de Inovação e Startups na Swissnex BrazilLink externo, que executa o programa em parceria com Universidade de Saint-GallenLink externo (HSG).O AIT é promovido pela Secretaria de Estado da Educação, Pesquisa e InovaçãoLink externo da Suíça e, no Brasil, tem o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTICLink externo) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPqLink externo).

Ainda em curso, o AIT 2018 terá sua fase final em abril, quando os pesquisadores brasileiros selecionados pelo programa participarão de um trabalho de campo na Suíça: "O AIT tem promovido a ligação entre ideias inovadoras e o mercado. Nesta quinta edição tivemos a participação de dez iniciativas brasileiras e dez suíças nos mais variados campos, como medicina, agricultura, energia, construção e educação. Tivemos êxito em catalisar o contato desses cientistas-empreendedores com mentores altamente especializados e em promover a aproximação deles com centros de inovação de grande destaque no Brasil", avalia Silveira.

Quando o AIT começou, o Brasil vivia, no que diz respeito aos assuntos relacionados ao setor de Ciência, Tecnologia e Inovação, um momento de quase euforia que motivou a própria inauguração de um escritório da Swissnex no Rio de Janeiro. Mas, após um período no qual o país viveu a chegada com força da crise econômica, o afastamento de um presidente e um processo eleitoral polarizado, esse interesse não teria diminuído? A própria Swissnex garante que não.

"O Brasil é a maior economia da América Latina e principal parceiro comercial da Suíça na região. Há uma perspectiva de recuperação dos indicadores econômicos e o ecossistema de startups brasileiras é fértil e criativo. Além disso, o Brasil ocupa um lugar de destaque na produção científica mundial em termos de publicação de pesquisas científicas e possui centros de pesquisa de relevância internacional como a Fiocruz e Embrapa, apenas para citar dois exemplos", diz Silveira.

Os representantes dos três projetos vencedores.

(swissinfo.ch)

Seguindo este raciocínio, a relação da Swissnex com os cientistas brasileiros se torna cada vez mais diversificada, sobretudo no que diz respeito aos jovens. Daí a importância da parceria com universidades como a PUC-RJ e a UFRJ, entre outras instituições, por intermédio de suas agências de inovação: "As melhores universidades da América Latina estão no Brasil. Independente das incertezas políticas ou econômicas, a relevante produção acadêmica brasileira continua a demandar conexões entre as inovações acadêmicas e o mercado", afirma o manager.

Na atual edição, o AIT conta com a participação de startups de base tecnológica que tocam projetos em áreas como Big Data, FinTech e AgroTech, entre outras. Os vinte cientistas empreendedores selecionados entre brasileiros e suíços são pesquisadores de mestrado, doutorado e pós-doutorado.

Nanotecnologia contra a artrite

O período de treinamentos e networking no Brasil foi coroado no final do ano passado com a apresentação pública dos vinte projetos selecionados. Em um evento aberto e gratuito realizado no Instituto Europeo di DesignLink externo no Rio de Janeiro, uma plateia com mais de 100 pessoas ligadas ao setor de CT&I escolheu como três projetos vencedores os realizados pelo suíço Etienne Jeoffroy, da EHT de Zurique (1º colocado) e pelas brasileiras Ana Ferronato (IFFluminense, 2º colocado) e Fabiana Noronha (UFSC, 3º colocado).

Idealizadora do TechPainLink externo, processo que utiliza a nanotecnologia no tratamento da dor crônica causada pela artrite, Fabiana Noronha fala sobre a importância de ter seu projeto selecionado pelo AIT 2018: "Essa oportunidade nos proporcionou treinamento intensivo e de excelência em empreendedorismo com profissionais altamente qualificados em suas áreas de atuação. Através de oficinas e palestras sobre planos de negócios, mercado, estratégias de financiamento e muitos treinamentos de pitch, nós obtivemos um maior entendimento sobre como levar nossa pesquisa da bancada do laboratório da universidade até o mercado", diz.

A ampliação da rede de contatos no Brasil e na Suíça é ressaltada por Fabiana: "Foi possível ampliar o conhecimento sobre o ecossistema inovador brasileiro através da visita aos hubs tecnológicos no Rio de Janeiro e São Paulo. Além disso, o contato com outros pesquisadores empreendedores brasileiros e suíços com diferentes projetos e habilidades estimula o processo criativo e o pensar ‘além das fronteiras’, incentivando a colaboração e a criação de novos projetos. A partir do programa e do networking feito com pesquisadores de ambos os países durante a semana de imersão tivemos novas ideias e novos projetos estão sendo desenvolvidos em cooperação".

A expectativa para o trabalho de campo em abril na Suíça é grande: "O treinamento na Suíça vai proporcionar um maior conhecimento sobre empreendedorismo científico internacional e sobre o funcionamento e regulamentação do mercado suíço e europeu. Acredito que será uma grande oportunidade de apresentar, validar e impulsionar o reconhecimento internacional dos projetos e tecnologias de alto nível que vêm sendo desenvolvidos nas universidades brasileiras", diz a pesquisadora.

Nanofármaco brasileiro

O projeto TechPainLink externo, idealizado pela brasileira Fabiana Noronha, promete ser uma "revolução do tratamento da dor crônica na artrite" e propõe uma nova forma de tratamento através da nanotecnologia e da experiência personalizada de tratamento ao paciente.

"O produto desenvolvido consiste em um nanofármaco (anti-inflamatório nanoencapsulado, ou seja, transformado numa molécula nanométrica) que é transportado para o local da dor por meio de um dispositivo elétrico portátil e não invasivo que é colocado sobre a pele e aumenta a absorção do fármaco na articulação dolorida", explica Fabiana.

Outra novidade é que o tratamento pode ser controlado pelo próprio paciente através de conexão bluetooth entre o dispositivo e o aplicativo de smartphone: "Isso permite a coleta de dados a respeito da dor do paciente e da usabilidade do dispositivo".

Aqui termina o infobox

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.