Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Corrente humanitária Dez anos após terremoto, doações suíças dão frutos no Haiti

Mulheres em volta de um poço d'água

Um ano após o terremoto, este poço em Petit-Goâve foi reconstruído, tornando-se também um local de aprendizado sobre higiene, responsabilidade e administração da água.

(Helvetas/Flurina Rothenberger)

Em 12 de janeiro de 2010, a terra tremeu no Haiti. O número real de mortos até hoje continua indefinido. As agências de assistência suíças estão empenhadas em fornecer água e reconstruir casas, entre outras ações. De acordo com uma avaliação dessa corrente humanitária suíça, este trabalho ainda hoje tem um impacto positivo na maioria dos casos.


ONU interrompe missão de paz

Em meados de outubro do ano passado, o Conselho de Segurança da ONU suspendeu sua missão de paz no Haiti após 15 anos. A ONU tinha enviado tropas de manutenção da paz para o país em 2004 após a queda do presidente Jean-Bertrand Aristide.

Em 2017, os capacetes azuis foram substituídos por uma missão policial da ONU, que por sua vez deverá ser substituída este ano por uma missão política ainda menor.

Nos últimos meses registra-se repetidos protestos no Haiti, principalmente contra o chefe de Estado Jovenel Moïse, no poder desde fevereiro de 2017. A oposição acusa fraude em sua vitória eleitoral e exige a sua demissão. O governo de Moïse também já acumula numerosos escândalos de corrupção.

(Fonte: Keystone-SDA/afp)

Aqui termina o infobox

"Quando cheguei a Porto Príncipe, fui abalroado pela extensão dos danos, as casas e edifícios destruídos, mesmo a línguagem", recorda Eric Chevallier. Ele é responsável pelo programa para a América Central e Haiti da organização não-governamental HelvetasLink externo desde 2010. O devastador terremoto havia destruído 80% da capital e, segundo estimativas, causou entre 200.000 e 500.000 mortes.

A organização humanitária GlücksketteLink externo (ou Swiss Solidarity - solidariedade suíça), ativa desde 1946 em levantar fundos para ajuda em regiões de grandes catástrofes, lançou então um apelo nacional por doações. Foram angariados uns bons 66 milhões de francos suíços. Até 2018, cerca de 63 milhões desta soma já haviam sido gastos num total de 91 projetos implementados por 21 organizações de ajuda humanitária parceiras, entre elas a Helvetas.

Na região de Petit-GoâveLink externo, a agência cuidou de restaurar a área de captação de várias nascentes, "a fim de garantir o acesso a água potável de alta qualidade", diz Chevallier. Também envolveu as populações locais afetadas: construíram muros e plantaram árvores para "assegurar a disponibilidade, qualidade e quantidade de água a longo prazo".

No próximo domingo completa-se o décimo aniversário do terremoto no país mais pobre do continente americano. Para marcar a ocasião, a Glückskette apresentou na segunda-feira uma análise de impacto encomendada externamente por ela em Genebra. Entre outros assuntos, foi examinado o impacto a longo prazo da ajuda prestada na vida das pessoas.

De acordo com a análise de impacto, 90% das 525 famílias inquiridas afirmaram que conseguiram cobrir as suas necessidades básicas e restaurar os seus meios de subsistência graças aos projects apoiados pela Glückskette. 95% dos inquiridos ainda vivem no alojamento que lhes foi dado na época.

Dois homens em uma lancha de pesca

Tem jangada no mar: os projetos de formação profissional e de formação contínua, que se destinavam a ajudar a construir um meio de subsistência, não trouxeram o sucesso desejado devido à difícil situação econômica do país.

(ZVG)

No que diz respeito ao abastecimento de água, 75% das famílias entrevistadas afirmaram que ainda utilizam fontes de água que foram renovadas ou construídas pela Helvetas, por exemplo.

No entanto, alguns pontos de água já não estão funcionando por conta de módulos solares roubados, defeitos técnicos, molas secas ou cisternas lavadas pelo furacão "Matthew" em 2016, entre outras razões.

No final do seu trabalho, a Helvetas criou comitês locais para assegurar o funcionamento a longo prazo das fontes de água. No entanto, Chevallier diz que a continuidade do trabalho destes comitês não está garantida devido aos diferentes interesses das autoridades e da população.

Mas o que mais garantiu a sustentabilidade dos projetos foi o fato de que as organizações de ajuda suíça - ao contrário de algumas outras organizações internacionais semelhantes - puderam desenvolver as suas redes no país com muita agilidade pois já estavam ativas no Haiti antes do terremoto.

Chevallier também enfatizou isto à SWI swissinfo.ch que o impacto da ajuda fornecida está diretamente ligado "ao nosso conhecimento das pessoas e instituições no terreno".

Um profundo senso de solidariedade entre as famílias é típico do Haiti, disse Chevallier. Era, portanto, particularmente importante "não destruir essa rede de solidariedade local através da nossa ajuda externa".


swissinfo/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.