Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Suíça no Carnaval 2015


Carnaval suíço da Unidos da Tijuca joga neve e chocolate na Sapucaí


Por swissinfo com agências


Atual campeã do carnaval carioca, a Unidos da Tijuca encerrou a segunda noite de desfiles do Rio de Janeiro apresentando um enredo sobre a Suíça. A viagem pelas características do país europeu era comandada pelo museólogo e carnavalesco Clóvis Bornay (1916-2005), que nasceu em Nova Friburgo e era filho de um joalheiro suíço.

 

O personagem de Clóvis Bornay, no chalé suíço, ao lado do cão São Bernardo, um dos sete carros alegóricos com temas suíços apresentados na Sapucaí. (Keystone)

O personagem de Clóvis Bornay, no chalé suíço, ao lado do cão São Bernardo, um dos sete carros alegóricos com temas suíços apresentados na Sapucaí.

(Keystone)

Com o o enredo “Um conto marcado no tempo – o olhar suíço de Clóvis Bornay", a Tijuca carnavalizou famosos símbolos do país como os relógios, os canivetes, os queijos, os chocolates e os Alpes, fazendo até 'nevar' na Sapucaí na forma de espuma de sabão.

O enredo foi patrocinado pelo governo e por empresas suíças e fez parte de um projeto de divulgação do país que começou na Copa do Mundo, passou agora pelo carnaval e seguirá até a Olimpíada de 2016.

A história começava a ser narrada por meio da comissão de frente, na qual um figurante representava Clóvis Bornay sentado numa poltrona, em uma biblioteca. Conforme ele recordava a infância, os livros ganhavam vida e se transformavam em personagens.

Para retratar as principais lendas e características da Suíça, a escola usou fantasias de fácil compreensão – arqueiros, numa referência a Guilherme Tell, canivetes suíços, caixinhas de música e fontes de água pura são alguns exemplos. O quinto carro alegórico representava uma fábrica de chocolates, e seus integrantes distribuíam bombons para a plateia.

A escola entrou com 4.000 componentes distribuídos em 33 alas, 7 carros e 3 tripés.A bateria de mestre Casagrande veio fantasiada de guarda suíça. 

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×