Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Inaki Urdangarin, marido da princesa Cristina da Espanha, deixa o tribunal após uma audiência em Palma de Mallorca, Espanha 23/02/2017 REUTERS/Enrique Calvo

(reuters_tickers)

MADRI (Reuters) - Um tribunal espanhol decidiu nesta quinta-feira não colocar o cunhado do rei da Espanha sob custódia enquanto ele aguarda o resultado de uma apelação contra uma condenação de seis anos de prisão por acusações que incluem sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.

Na sexta-feira Inaki Urdangarin foi considerado culpado de usar conexões com a realeza para sobretaxar governos regionais por meio de contratos públicos para a realização de eventos esportivos e turísticos. Ele também foi acusado de burlar o fisco.

O julgamento e a investigação de seis anos capturaram a atenção de um país irritado com uma série de escândalos de corrupção ocorrendo nos níveis mais altos da sociedade espanhola enquanto as pessoas comuns sofrem com os cortes de gastos e o desemprego alto.

Multidões gritaram "ladrão!" quando Urdangarin entrou e saiu da corte nesta quinta-feira. Conforme a lei do país, ele pode apelar da sentença do tribunal provincial de Malorca na Suprema Corte.

A corte de Malorca é a maior instância jurídica da região onde os crimes aconteceram, mas a pena não é definitiva até que a Suprema Corte de Madri a confirme.

Enquanto a mais alta corte da nação delibera a respeito da sentença, um processo que pode demorar meses, Urdangarin precisa se apresentar às autoridades uma vez por mês na cidade em que mora, atualmente Genebra, na Suíça, determinou o tribunal nesta quinta.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters