Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Custos sempre em alta Aumento do seguro-saúde em 2019 será um pouco (bem pouco) menor

Cena de hospital

Nos últimos vinte anos, nenhum remédio eficaz foi encontrado para conter a explosão dos custos de saúde na Suíça.

(© KEYSTONE / ALESSANDRO CRINARI)

Também no próximo ano, os prêmios para o seguro compulsório de saúde aumentarão novamente. Será um pouco mais moderado em comparação com os aumentos de recentes, mas reflete mais uma vez a explosão progressiva dos custos de saúde na Suíça.

Como todos os anos, no final de setembro, a Secretaria Federal de Saúde Pública (FOPH) recebe muito poucas notícias sobre a evolução dos custos da saúde e, portanto, dos prêmios para o seguro compulsório de saúde. Desta vez, o segurado terá que pagar uma média de 1,2% a mais, a partir do próximo ano, para os prêmios do seguro saúde.

O aumento percentual é um pouco menor do que nos últimos anos, mas isso está parcialmente ligado a um novo sistema de cálculo que leva em conta o crescimento médio de todos os prêmios. Com base no método usado até agora, que se referia apenas às taxas padrão, o aumento teria sido de 2,7%, portanto bem acima da baixa taxa de inflação. A única boa notícia está ligada à redução de prêmios para jovens entre 18 e 26 anos, que segue a decisão do Parlamento de aliviar a carga sobre as famílias.

Custos de saúde dobraram em 20 anos

Embora mais moderado do que nos últimos anos, esse novo aumento reduz ainda mais o ônus dos prêmios por doença para a maioria dos segurados. Desde a introdução do seguro de saúde obrigatório, os prêmios aumentaram em cerca de 4% ao ano em média. Em 1996, a tarifa padrão - com uma franquia normal e cobertura de acidentes - era em média de 170 francos por mês para um segurado acima de 26 anos, enquanto hoje é mais de 450 francos. Mais de um quarto dos segurados recebem subsídios para o pagamento de prêmios.

O crescimento descontrolado dos prêmios por doença reflete claramente a explosão dos custos de saúde na Suíça. Em 20 anos, os custos globais com saúde dobraram, de 37,5 bilhões de francos em 1996 para mais de 80 bilhões em 2016. Essa progressão é claramente desproporcional à evolução do produto interno bruto (PIB) e dos salários. no mesmo período de tempo, como mostra o gráfico a seguir.

(1)

Crescita dei costi della salute rispetto ai salari e al PIL

A explosão dos custos da saúde está ligada em grande parte à mudança demográfica. Apenas 20 anos atrás, a expectativa de vida era de 82 anos para as mulheres e 75 para os homens, enquanto hoje subiu para mais de 85 anos para as mulheres e 81 para os homens. O envelhecimento da população tem um forte impacto nos custos, uma vez que são os segurados mais velhos que recorrem mais aos serviços médicos.

No entanto, o aumento acentuado das despesas no setor da saúde também se deve a vários outros fatores. Estes incluem o alto nível de atendimento médico, entre os melhores do mundo, e o alto padrão de vida, o que leva as empresas farmacêuticas e outros fornecedores de produtos de saúde a impor preços mais altos no mercado suíço, em comparação com aqueles aplicados em quase todos os outros países. Segundo dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a Suíça é,  depois dos Estados Unidos, o segundo país com os maiores gastos com saúde, em comparação com o PIB.

(2)

Costi della salute in % del Prodotto interno lordo (PIL)

A progressão dos custos não economiza praticamente nenhum setor. Por exemplo, as despesas com consultas médicas aumentaram 31,6% entre 2010 e 2015 - e isso apesar do número de consultas permanecer praticamente igual durante esse período. Tratamentos estacionários em hospitais aumentaram em 23%, principalmente devido ao aumento do número de pacientes com mais de 70 anos. O aumento nos custos do tratamento ambulatorial em hospitais atingiu 30%. Em 2016 (dados mais recentes) os custos da saúde foram divididos da seguinte forma:

(3)

Ripartizione dei costi della salute

O aumento nos custos também é devido à incapacidade da classe política de lançar uma reforma do sistema de saúde capaz de reunir a aprovação da maioria no parlamento ou do povo. A busca por um compromisso é dificultada pela multiplicidade de grupos de interesse e pela forte influência dos vários lobbies no parlamento. Em nenhum outro setor há tantos parlamentares com ligações tão estreitas com empresas, seguradoras, associações e assim por diante.

Durante anos, bem como durante essa sessão de outono das Câmaras, os parlamentares limitam-se a fazer propostas marginais, que não permitem atacar pela raiz os males do setor da saúde. Em vez disso, as iniciativas populares nessa área estão se multiplicando: duas já foram lançadas no ano passado, incluindo uma "Por um parlamento independente das empresas de seguro de saúde". Iniciativas anunciadas, à direita, pelo Partido Popular da Suíça (SVP/UDC) e, à esquerda, pelo Partido Socialista também são esperadas nos próximos meses.

Por sua vez, o governo colocou em consulta há poucos dias um novo pacote de medidas para reduzir os custos da saúde. Em particular, o Conselho Federal quer reduzir os custos dos medicamentos, introduzindo preços de referência para os medicamentos com patente vencida e forçando os provedores de saúde a enviar uma cópia de cada fatura aos segurados, a fim de melhorar o controle.

Resta saber se essas propostas e iniciativas conseguirão superar o obstáculo parlamentar ou popular. Nos últimos 20 anos, os próprios cidadãos rejeitaram cinco iniciativas relativas ao sistema de saúde, bem como uma contraproposta e uma modificação da lei sobre o seguro obrigatório.


Adaptação: Eduardo Simantob

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Longform The citizens' meeting

Teaser Longform The citizens' meeting

advent calendar

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.