Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Consciência social Por que as mulheres votam mais à esquerda que os homens?

Mulheres estudantes tomam nota em uma aula na universidade

Quem é a favor de licença maternidade/paternidade, ou por maior igualdade de salários, ou ainda contra fontes de energia nuclear, identifica-se mais com a plataforma de esquerda. Esses temas, entre outros, tocam muito mais as mulheres do que os homens. 

(Keystone)

No início de maio de 2018, um estudo em grande escala sobre o comportamento eleitoral por gênero Link externochamou a atenção da mídia internacional. Segundo a pesquisa, as mulheres votam mais à esquerda do que os homens. Há vários anos, este tem sido o caso na Suécia, na Noruega e nos Países Baixos, em particular. A tendência também ficou evidente nas últimas eleições parlamentares suíças em 2015.


Este artigo é parte de #DearDemocracy, a plataforma para a democracia direta da swissinfo.ch. Aqui, além de membros da nossa redação, também autores externos expressam seus pontos de vista. Suas posições não coincidem necessariamente com as da swissinfo.ch.

Aqui termina o infobox


Em resumo: as mulheres hoje votam mais à esquerda porque pensam socialmente, ambientalmente e gênero-politicamente de maneira mais progressista que os homens.

Mas isso não é uma lei, porque na Irlanda, na Itália e na Bélgica essa conclusão não encontra eco.

Por outro lado, a Suíça também conhece a diferença de gênero no comportamento eleitoral. De acordo com a pesquisa eleitoral "Selects", realizada durante as eleições para o Conselho Nacional (Parlamento) em 2015, mais mulheres do que homens votaram nos Verdes e nos Socialistas.

Entre os liberais-verdes e os democratas-cristãos havia uma relativa igualdade, enquanto que entre os eleitores do Partido Popular Suíço (SVP/UDC), do Partido Radical Liberal (FDP/PLR), e no Partido Democrático Burguês (BDP/PBD) os homens formavam a grande maioria (v. box dos partidos).

Últimos resultados de pesquisa na Suíça

No início da semana, os estudantes de ciências políticas da Universidade de Zurique apresentaram seus últimos resultados de pesquisa. Esse estudo é fruto de um evento para as eleições parlamentares suíças de 2015, conduzido por Silja Häusermann, professora de Política Suíça, e seu assistente Thomas Kurer.

Os partidos (sigla em alemão/francês)

SVP/UDC: Partido Popular Suíço (direita acentuada)

SP/PS: Partido Socialista (centro-esquerda)

FDP/PLR: Partido Liberal Radical (centro-direita)

CVP/PDC: Partido Democrata Cristão (centro-direita)

GPS/PV: Partido Verde (esquerda)

GLP/PVL: Partido Verde Liberal (centro-direita)

BDP/PBD: Partido Democrático Burguês (centro-direita)

JUSO: Jovens Socialistas (esquerda acentuada)

Aqui termina o infobox

O projeto também incluiu o trabalho de Mia Eichmüller, que explorou as causas do comportamento eleitoral específico por gênero na Suíça.

Em sua notável investigação, a jovem pesquisadora chega às seguintes conclusões: decisivas são as atitudes em questões de política social, política ambiental e política de gênero. Aqueles que, por exemplo, querem mais licença parental, a eliminação da energia nuclear ou um salário mais igualitário, escolhem a esquerda. Este é o caso tanto de mulheres como de homens suíços.

Entre as mulheres, no entanto, o número de pessoas com essas opiniões é mais comum do que entre os homens, segundo a autora. As diferenças no comportamento de voto são, portanto, devido à distribuição desigual de opiniões.

Outras explicações possíveis não afetam as conclusões de maneira significante. Quesitos como estado civil ou grau de integração no mercado de trabalho não justificam as diferenças.

Descobertas gerais sobre a Europa Ocidental

Incorporado no panorama geral da pesquisa, pode-se supor uma explicação ainda mais profunda. Fala-se da "lacuna de gênero moderna". O que isto significa é que as mulheres jovens de hoje são diferentes, especialmente de mulheres jovens de algumas décadas anteriores. Isso leva a um número crescente de mulheres esquerdistas, especialmente entre as jovens. Esse fenômeno é mais pronunciado na Suécia e na Islândia, e mais recentemente também na Áustria.

Cientistas sociais como Rosalind Sharrocks, da Universidade de Manchester, argumentam que isso tem a ver com a diminuição da religiosidade. Em outras palavras, nas gerações mais novas, os valores socialmente conservadores na Europa diminuíram.

Em contraste, uma atitude social-liberal ganha mais ressonância. Em termos de gênero, isso significa maior apoio às demandas redistributivas entre as mulheres, enquanto mais homens argumentam que a propriedade deveria orientar a política.

Características suíças em comparação

Na Suíça, o esquema europeu não se aplica muito claramente. Isso se deve às posições do CVP e do FDP nos três tópicos sensíveis. O FDP está mais próximo do mundo dos negócios do que seus pares na Europa. Por outro lado, o CVP passou por uma mudança notável em questões de gênero, política ambiental e social.

Recentemente, a Conselheira Federal do CVP, Doris Leuthard, expressou bem o estado das discussões. Em uma entrevista, ela disse que o Conselho Federal (governo suíço) adotou uma postura mais corajosa quando, pela primeira vez (em 2010 e 2011), viu-se composto por uma maioria de quatro mulheres contra três homens. "Na eliminação da energia nuclear, por exemplo, as mulheres foram mais decisivas", disse ela à edição dominical do diário zuriquenho NZZ.


Adaptação: Eduardo Simantob

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.