Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Déficit representativo A melhor democracia do mundo não é perfeita

Banco de madeira que serve de local de votação da comuna de Fideris

Na pequeno vilarejo de Fideris, localizada nas montanhas dos Grisões, o banco de madeira em frente a essa casa é o centro de votação da comunidade.

(Gian Ehrenzeller/Keystone)

O sistema suíço de democracia direta é admirado no mundo inteiro (onde a democracia é admirada, claro), e muitas vezes é apresentado como um modelo. Mas mesmo um país que até certo ponto inventou os direitos dos cidadãos não acerta o tempo todo.

A Suíça é também considerada o "padrão ouro de democracia direta". Mas você sabia que ...

… o governo e o parlamento às vezes descaradamente ignoram os desejos do povo?

Um exemplo é a discussão atual sobre o horário de verão, que adianta uma hora no verão e retorna ao normal no inverno. O presidente da Comissão Européia, Jean-Claude Junker, quer que a prática termine, o que também poderia chamar a atenção para a questão na Suíça. O Parlamento aprovou a lei sobre o horário de verão em 1977. Um grupo de agricultores a desafiou com sucesso e venceu uma votação nacional subsequente em 1978.

Mas o voto do povo nunca foi implementado porque o governo e o parlamento introduziram uma nova lei sobre o assunto em 1980 - e desta vez ninguém queria vetá-lo. Então a Suíça ficou com o horário de verão desde 1981, contra a vontade do povo.

… o Parlamento pode fazer o que bem entender?

Você consegue imaginar uma constituição que diz que não é válida? Esse é o caso, pelo menos em parte, da constituição suíça. O artigo 190 diz que as leis federais e internacionais são obrigatórias nos tribunais suíços, mas não na constituição. Isso significa que, em certos casos, os tribunais devem aplicar uma lei federal, mesmo que seja contra a constituição.

Aqui está um exemplo inventado: o parlamento torna o serviço militar para as mulheres obrigatório por lei. Uma mulher vai ao tribunal e argumenta que o serviço militar para as mulheres, conforme estabelecido nesta nova lei, vai contra a constituição. No artigo 59, parágrafo 2, afirma que o serviço militar é voluntário para mulheres suíças. O tribunal teria que dizer à mulher que, em teoria, ela está certa, mas que ela ainda tem que arrumar seu kit de exército e ir para o quartel.

… uma votação pode ser completamente inútil?

Muitas vezes esquecemos que os cantões têm soberania preferencial na Suíça. O povo vem depois. Os cantões decidem como o governo e o parlamento são eleitos. Isso pode ser usado por partidos políticos estabelecidos para manter a concorrência à distância.

Como isso é feito? Pelo sistema majoritário - votação por maioria -, bem como por pequenos distritos eleitorais com apenas alguns lugares em disputa. Novos candidatos não têm virtualmente nenhuma chance de entrar. Para três postos são necessários mais de 30% dos votos, assim os incumbentes permanecem exatamente assim, com suas cadeiras garantidas. Neste caso, tanto faz você jogar seu voto para um partido pequeno na urna como na lixeira.

O Tribunal Federal já forçou seis cantões suíços a introduzir representação proporcional. Eles reagiram com uma iniciativa cantonal para reconquistar sua total soberania sobre o sistema eleitoral. O Senado, composto por representantes cantonais, aprovou a proposta. A Câmara dos Representantes analisará a questão neste outono.

… a Suíça é uma oligarquia?

Christoph Blocher fez fortuna com uma empresa de produtos químicos - sua família vale 11,5 bilhões de francos suíços (11,9 bilhões de dólares) e aparece em décimo lugar na lista dos super-ricos da Suíça. O magnata também levou o partido conservador suíço ao sucesso. Desde 1999, o SVP/UDC é o partido mais forte da Suíça e Blocher o político mais influente no país dos últimos 25 anos.

Um fator deste sucesso: Blocher é tanto o estrategista principal e patrocinador do partido. Ninguém de fora do partido sabe o quanto do dinheiro de Blocher foi gasto nas suas campanhas. E isso tudo é totalmente legal. Financiamento partidário é uma área nebulosa na Suíça. Uma iniciativa popular foi lançada pedindo mais transparência na área de doações políticas.

Mas voltando a Blocher, há uma já proverbial anedota de um especialista político suíço que acaba de explicar a democracia suíça a uma delegação chinesa. "Que tipo de democracia é a Suíça se o homem mais rico pode comprar um partido político?", pergunta alguém.

… que a população suíça teve que lutar muito para recuperar seus direitos democráticos após a Segunda Guerra Mundial?

Volte 60 anos e você verá que a Suíça estava a caminho de se tornar uma autocracia. Você não acredita? Então olhe para 30 de agosto de 1939, dois dias antes do estouro da Segunda Guerra Mundial, quando o parlamento suíço concedeu autoridade ilimitada ao governo. Os poderes do governo aumentaram durante a guerra devido a uma lei de emergência, e este estado de coisas teria continuado depois se dependesse do governo e dos partidos de centro e de direita.

O povo suíço não teve outra escolha senão lutar para restabelecer seus direitos, com a ajuda de uma iniciativa popular. Isso foi aceito em 11 de setembro de 1949. O "regime de plenos poderes" (Vollmachtenregime) só chegou ao fim em 1952.


Este texto é parte de #DearDemocracyLink externo, uma plataforma da swissinfo.ch sobre questões de democracia direta. Colaboradores, incluindo autores externos, são aqui livres para expressar suas posições, que não são necessariamente as da swissinfo.ch. 

Aqui termina o infobox


swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Longform The citizens' meeting

Teaser Longform The citizens' meeting

advent calendar

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.