Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Democracia direta (série) O populismo prospera na Suíça, mas sob controle

SVP mascot

A cara sorridente do populismo: mascote do Partido Popular Suíço (SVP/UDC), fevereiro de 2019.

(© Keystone / Peter Klaunzer)

Qual o efeito do populismo crescente para o futuro da democracia? Na Suíça, pelo menos, os ideais populistas e democráticos parecem prosperar de mãos dadas. 

Com base em muitos indicadores do que constitui o termo, a Suíça é um dos países mais populistas da Europa. O Partido Popular de direita, anti-imigração, é o maior do país, o sentimento anti-elitista é forte, e o sistema de democracia direta pode levar a explosões controversas de ira popular.

Mas a Suíça é também - em quase todos os indicadores - um modelo de estabilidade política, prosperidade econômica, qualidade de vida, multiculturalismo (25% dos habitantes são estrangeiros) e saúde democrática em geral.

Será isso um paradoxo?

Pode parecer que sim para aqueles que olham de fora. Mas a marca específica do "populismo alpino" na Suíça é construída sobre vários aspectos que a diferenciam de outras versões do fenômeno que se espalham pela Europa.

Picos e quedas

O primeiro é o timing histórico. Claude Longchamp, analista político do grupo de pesquisa da GfS em Berna (e colaborador regular da swissinfo.ch) considera que a Suíça está atualmente do lado de baixo da onda populista, que agora está se cristalizando em países como França, Itália, Áustria, Hungria e Polônia.

"Já tivemos essas discussões", diz ele. "O populismo não está em ascensão aqui como em outros países onde, desde a eleição de Donald Trump em 2016, temos visto um crescimento em um novo tipo de populismo ansioso para conquistar o centro político".

Um pico suíço ocorreu por volta de 2007, diz ele, quando o decano do Partido Popular, Christoph Blocher, era membro do governo federal, fomentando movimentos que levariam a uma votação para expulsar estrangeiros criminosos em 2010. Outra onda de choque se deu no período 2013-2015, quando as consequências da crise financeira nos países vizinhos da zona do euro influenciaram um eleitorado suíço mais voltado para o interior para conter a imigração da UE.

Desde então, no entanto, a influência do Partido Popular e suas opiniões populistas tem estagnado, diz ele. Os resultados das eleições autárquicas e várias derrotas eleitorais puseram os conservadores em segundo plano. As previsões para as eleições parlamentares de outubro também preveem ganhos verdes - mas não os ganhos populistas vistos recentemente nas eleições europeias.

Contra-movimentos

especiais

Laboratório da democracia

Como tornar a democracia mais democrática? Na nossa série de vídeos, jovens cientistas políticos apresentam análises e soluções. 

Por que essa defasagem temporal entre a Suíça e o resto da Europa? Longchamp diz que parte dela é simplesmente uma questão cíclica; picos e depressões de dissidência são parte integrante das democracias, onde a estabilidade depende da capacidade do sistema dominante de satisfazer um número suficiente de pessoas para não recorrer a alternativas extremas.

Nesta perspectiva, enquanto a Europa estava a mergulhar de cabeça na sua crise financeira selvagem em 2007, a Suíça já estava a atravessar as suas dores de crescimento populistas; uma década mais tarde, quando as democracias da UE viram os frutos políticos da estagnação e as escassas perspectivas, a economia suíça assiste felizmente à cimeira alpina.

Mas isso não é tudo. Mais recentemente, o crescimento de um movimento reacionário e progressista na Suíça também ajudou a moldar uma contra-narrativa à estratégia de relações públicas extremamente eficaz do Partido Popular.

A Operação Libero, por exemplo, recentemente creditada pelo jornal britânico Guardian como "batendo no populismo"Link externo: um grupo urbano e liberal que se mobilizou nos últimos quatro anos para lutar contra várias iniciativas de direita.

Eles venceram todas as suas batalhas - incluindo outra tentativa de expulsão de estrangeiros criminosos - em uma estratégia de campanhas de alto engajamento e mudança de narrativa, e agora estão apoiando candidatos nas eleições parlamentares de outubro deste ano.

E se o elogio do Guardian pudesse ter sido exagerado, a ideologia liberal da Operação Libero, combinada com seu estilo de comunicação popular e populista, certamente ajudou a "mudar um pouco a narrativa", como disse o jornal.

Enquanto isso, o engajamento dos jovens, as preocupações climáticas (que os líderes do Partido Popular chamam de "moda") e uma mudança nas tendências políticas dos centros urbanos na Suíça (em oposição às regiões rurais mais conservadoras) também podem ter ajudado a tirar o vento das velas dos populistas conservadores.

operation libero

Operation Libero em uma de suas campanhas coloridas – aqui promovendo direitos matrimoniais para todos em Berna, 1° de setembro de 2015.

(Keystone / Peter Schneider)

O papel da democracia direta

Claro que isto não significa que a Suíça está livre da tendência. De acordo com um estudo de 2016Link externo, o país ainda apresenta "condições favoráveis para um populismo crescente", incluindo a natureza tradicionalmente conservadora e isolacionista de sua geografia social e um sistema de mídia caracterizado pela concentração da propriedade.

E há o sistema democrático direto, um instrumento muito apreciado pelos populistas que procuram avançar sua agenda (e muito apregoado por Matteo Salvini na Itália e Marine Le Pen na França) - um sistema que supostamente tira o poder das elites para entregá-lo diretamente nas mãos do tão importante "povo".

Mas é também, possivelmente, o próprio instrumento que trabalha para minar o sucesso populista de longo prazo.

Em um sistema que permite que as leis existentes sejam contestadas (se forem coletadas 50.000 assinaturas) e novas leis sejam propostas (100.000 assinaturas), as questões políticas "sobem à superfície mais rápido, mais claramente e devem ser resolvidas", diz Longchamp; isso ajuda a evitar que descontentamentos em fermentação sejam reprimidos por muito tempo. Da mesma forma, a possibilidade de votar com mais frequência (mesmo que as taxas de participação sejam baixas) dá a impressão de ter uma voz, algo que alimenta e modera as exigências populistas.

Laurent Bernhard, da Universidade de Lausanne, diz que isso também se passa dentro do sistema de governança suíço, que garante a cada um dos principais partidos políticos um lugar no colegiado consensual do Poder Executivo (o chamado Conselho Federal, na prático a chefia do governo federal). O Partido Popular é "cooptado" para o sistema, diz ele, e torna-se mais moderado e pragmático como resultado.

Assim, na Suíça, o Partido Popular é um participante fixo do mobiliário político, em vez de ser ostracizado pelo tipo de "cordão sanitário" que é colocado em torno de grupos nacionalistas em países como a França, onde durante anos foi tabu falar da Frente Nacional como um ator político legítimo.

Por fim, como o sistema suíço se baseia num tal modelo de governo consensual, também não é possível que qualquer grupo - populista ou não - possa se transformar numa autoridade suprema para fazer mudanças radicais.

E assim, à direita, o tipo de movimento para o iliberalismo autoritário visto (por exemplo) na Hungria é improvável; enquanto à esquerda, os apelos populistas para a revisão econômica e um recrudescimento da luta de classes também estão remando contra a corrente.

Como disse a presidente (em fim de mandato) dos Jovens Socialistas e autodescrita populista Tamara Funiciello - "nunca haverá uma revolução na Suíça".

tamara funiciello

A populista de esquerda: Tamara Funciello, líder dos Jovens Socialistas.

(© Keystone / Gian Ehrenzeller)

Mais barulho que substância?

Na verdade, em um sistema tão restrito, Funiciello vê o populismo mais como um exercício de comunicação: uma forma de chamar a atenção da mídia e espalhar uma mensagem simplista que pode, ou não, ser populista em substância.

Ela descreve como os Jovens Socialistas (JUSO) essencialmente copiaram o estilo de comunicação do Partido Popular depois de ver como ele foi eficaz na última década. A Operação Libero também é composta de comunicadores experientes quando se trata de fazer um splash na mídia, e até mesmo os Verdes, que atualmente estão no clima eleitoral, se aproximam do discurso populista, de acordo com um estudo acadêmico.

Longchamp acha que esse "populismo retórico" - que ele descreve como um emburrecimento do discurso, campanhas negativas e de ataque, e chamar a atenção da mídia a todo custo - é importante de ser monitorado. Mas ele diz que é vital distingui-lo de mais "populismo ideológico" que pode levar a políticas de exclusão perigosas.

Quanto ao Partido Popular - ele próprio ambivalente quanto ao termo populismo -, Longchamp está menos disposto do que alguns outros pesquisadores a rotulá-lo de populista. O partido exibe muitas facetas do populismo, diz ele, mas menos do que algumas variantes vistas em toda a Europa, que às vezes derivam de partidos com histórias fascistas.

"O Partido Popular nunca foi um grupo de extrema-direita", diz ele.


Adaptação: Eduardo Simantob, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.