Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Votações de 10 de junho "Iniciativa da Moeda Plena" é derrotada nas urnas

O eleitor suíço não está disposto a modificar radicalmente o sistema monetário do país. A maioria rejeitou no plebiscito de domingo uma iniciativa que pretendia impedir os bancos comerciais de criar a sua própria moeda. Já a Lei de jogos de azar passou no referendo, com uma aprovação de 73% dos eleitores.

Pessoas manifestando na rua

Apesar da rejeição nas urnas, os promotores da iniciativa "Moeda plena" ressaltam a importância de ter levado o tema à opinião pública.

(Keystone)

Pouco inclinados a promover uma revolução através do voto e se lançar em experiências econômicas arriscadas, 75,5% dos eleitores votaram "não" à iniciativa, cujo nome completo era "Por uma moeda imune às crises: emissão monetária unicamente através do Banco Nacional! (Moeda plena)". Já 24,3% a aprovaram.

Lançada por um grupo de economistas, especialistas em finanças e empresários, a proposta encontrou oposição por parte do governo e todos os partidos políticos representados no Parlamento suíço. 

Gráfico

Gráfico

Sistema inédito

Os promotores da iniciativa pretendiam criar um sistema monetário mais seguro, imune à especulação e às crises financeiras. Segundo sua visão, os bancos comerciais só deveriam fazer empréstimos de dinheiro que realmente foi colocado em circulação pelo Banco Nacional Suíço (BNS, o banco central do país) e parar de conceder empréstimos não cobertos pelos seus próprios fundos. 

Enquanto enfatizavam que o sistema proposto não existe em nenhum outro país do mundo, os opositores também ressaltavam que essa reforma radical, e sem precedentes, constituiria um experimento de alto risco para o sistema financeiro do país. Segundo o governo e o Parlamento federal, isso teria o efeito de concentrar o poder excessivo nas mãos do BNS, expondo-o a uma maior pressão política.

Outro risco seria a perda de credibilidade da política monetária suíça e uma limitação das atividades dos bancos, o que enfraqueceria a economia como um todo. 

Juros no exterior

Como foi o caso há dois anos, durante a campanha sobre a introdução de uma renda básica incondicional, essa votação foi acompanhada de perto pela mídia estrangeira. Sábado, o site da revista francesa "L'Express" apresentou a seguinte manchete: "A Suíça pode deixar de ser o paraíso dos bancos na noite de domingo".

"E se proibirmos os bancos de criar dinheiro", publicou o jornal belga "Le Soir". O jornal francês "Le Monde" publicou um artigo opinativo do economista Jean-Michel Servet, que defendeu a proposta como forma de limitar a especulação financeira dos bancos.

Segundo tema de referendo

Medo de censura na internet e a mobilização de jovens políticos não foram suficientes para derrubar a Lei de jogos de azar, o segundo tema levado à plebiscito federal no domingo. No total, 73% dos eleitores aprovaram a lei levada à referendo. Porém a participação do eleitorado também foi fraca: 34%.

Com a aprovação definitiva da nova Lei federal do Jogos de azar (BGS), os casinos suíços estão agora autorizados a oferecer diferentes tipos de apostas na internet. Porém precisam para isso solicitar uma concessão federal. As empresas que não o fizerem, serão bloqueadas na rede. 

A lei também permite que prêmios ganhados em loterias e apostas esportivas sejam isentas de impostos até um milhão de francos. Até então, a regra aplicava-se apenas aos prêmios de até mil francos. Entre as inovações da BGS está também a liberação de licenças para pequenos torneios de pôquer fora dos cassinos.


Adaptação: Alexander Thoele, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.