Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Depoimento Solidão, estresse e superlotação – o dia-a-dia na luta contra a Covid-19

Kathrine Zimmerman (centre)

Kathrine Zimmerman (ao centro) e membros de equipe médica na unidade de terapia intensiva Covid do Hospital Universitário de Genebra 

(© Nora Teylouni / Msf)

Ao encerrar seu trabalho na unidade de terapia intensiva Covid-19 do Hospital Universitário de Genebra (HUG), Kathrine Zimmerman, enfermeira da ONG Médicos sem Fronteiras destacada para o hospital, reflete sobre sua vida diária no auge da pandemia.

Conteúdo externo

Banner do dossiê 'Opinião'

Quando cheguei para o meu turno à noite, descubro a unidade para a qual serei designada para as próximas 12 horas. No início, o trânsito entre aqueles que começam e terminam seu turno é impressionante, pois somos muitos. Na entrada dos vestiários, é hora de escolher e vestir meu uniforme para a noite.

Kathrine Zimmerman é uma enfermeira formada na Suíça que já trabalhou nas unidades de pediatria e neonatologia do Hospital Universitário de Genebra (HUG). Durante cerca de dez anos, ela participou de missões humanitárias na África, América Central e Suíça. Nos últimos quatro anos, ela tem sido responsável pela melhoria do programa de saúde na sede da ONG Médecins Sans Frontières (MSF) em Genebra. Desde março de 2020, ela foi destacada para a unidade de terapia intensiva do HUG para pacientes com Covid-19.

(© Nora Teylouni / Msf)

O tamanho pode variar, mas não as cores: azul e branco. Assim que entramos nas áreas onde os pacientes são entubados, colocamos máscaras FFP2 ou "duck bill". Nos corredores, como precaução, ainda usamos máscaras convencionais para nos proteger uns aos outros. Após duas semanas e meia de plantão na unidade Covid-19, passei uma noite em uma unidade de terapia intensiva para pacientes não-COVID, vestida normalmente com uma máscara cirúrgica normal. Foi muito estranho ficar sem toda aquela roupa, me senti quase nua.

Minha pequena contribuição

Quando a pandemia foi declarada e os pacientes começaram a ser internados em hospitais na Suíça, eu mal podia me ver trabalhando em casa, especialmente quando tive a oportunidade de ajudar a reforçar as equipes hospitalares. Embora eu não imaginasse necessariamente que alguma vez estaria enfrentando uma epidemia de tal magnitude na Europa, estou feliz por poder contribuir, no meu nível, para esta incrível mobilização. No HUG, a terapia intensiva foi estendida por vários prédios. Salas cirúrgicas, salas de recuperação, salas de cuidados intermediários e outros serviços foram redesignados para receber pacientes com Covid-19.

Durante as duas primeiras semanas, cuidei de vários pacientes "jovens" com menos de 55 anos, muitos dos quais puderam ser extubados e transferidos para o andar de cuidados continuados. Alguns tiveram alta poucos dias depois. Esta notícia positiva é o que nos mantém firmes. Mesmo assim, ver tantas pessoas entubadas, muitas vezes deitadas de bruços para melhorar a respiração, é avassalador. Normalmente não se vêem tantos pacientes entubados na UTI. Estão todos aqui, e quando cheguei, nos disseram que dependendo da evolução da crise, poderíamos ter possivelmente cinco pacientes entubados por enfermeira. Acabei ficando com três deles no meu primeiro dia e devo dizer que foi muito estressante me encontrar em uma enfermaria desconhecida após vários anos fora de uma UTI. Por sorte, não chegou a esse ponto e a situação está realmente melhorando.

Uma coisa que me impressiona particularmente nessa extraordinária experiência é a solidão dos pacientes. O pessoal de saúde, enfermeiras e médicos, são o único elo de ligação entre os pacientes e suas famílias. Há alguns dias, um dos pacientes sob meus cuidados também estava comemorando seu aniversário (nós somos do mesmo dia). Eu pude comemorar com minha família, mesmo que via Skype. Ele passou seu aniversário de 80 anos sozinho. E a família dele também. Isso é difícil. Desde então eu soube que ele foi extubado. Espero que ele se reúna com sua família em breve.

UTI do Hospital Universitário de Genebra
(© Nora Teylouni / Msf)

Similaridades com minha experiência humanitária

Vejo paralelos com meus anos de experiência no campo em como as pessoas ficam preocupadas com a doença: pânico, estresse, luta contra este ambiente epidêmico, e as preocupações dos meus colegas e de mim mesma.

Estou acompanhando a situação à distância, mas sei que meus colegas de MSF estão se preparando no campo e ajudando a implementar medidas preventivas para que a doença não se espalhe e sobrecarregue os sistemas de saúde menos bem equipados do que os da Europa. Entretanto, haverá falta de recursos humanos para o tratamento dos pacientes, sem falar na necessidade de pessoal especializado em reanimação. Não será possível fornecer o mesmo nível de cuidados que aqui. Restrições à circulação de pessoas e bens irão complicar a implementação da resposta ao vírus.

Já nos sentimos um pouco desamparados e limitados no que poderemos proporcionar, mesmo que façamos o possível para aplicar os melhores protocolos de cuidados possíveis.

Falando em campo, eu me sinto um pouco lá agora.

Atualmente vivo em uma bolha e minha principal preocupação é cuidar dos pacientes pelos quais sou responsável. No entanto, quando penso nos meus colegas da área humanitária na linha de frente, sei que vai ser difícil. Não sei se eu iria facilmente para uma operação anti-Covid-19 em outro país. O que é certo é que eu precisaria de tempo para considerar seriamente a questão.

Na Suíça, sinto que estou um pouco em campo dada a reação dos meus amigos e família que me dizem: "Agora que você não está mais em um país perigoso, você só tinha que entrar no Covid! Felizmente, eles confiam em mim.

Geneva University Hospital intensive care unit
(Nora Teylouni / Msf)

Este texto foi originalmente publicado no blogLink externo Voices from the field (Vozes do Campo), da MSF .

A MSF na luta anti-Covid na Suíça

Quando o vírus começou a se espalhar pela Suíça, no final de março, a MSF designou 12 especialistas em Genebra para ajudar o hospital principal, bem como os desabrigados e outros residentes vulneráveis. 

Em Genebra, uma clínica móvel da MSF continua visitando regularmente o quartel de Vernets, onde residentes vulneráveis estão vivendo, para realizar o rastreamento de contatos. Caso contrário, a demanda por atividades da MSF diminuiu à medida que a propagação do vírus foi reduzida.

O apoio ao controle da prevenção de infecções também está sendo fornecido a diferentes associações locais, mediante solicitação. Em 2 de maio, 25 voluntários da MSF realizaram uma pesquisa com cerca de 2.500 pessoas vulneráveis que frequentam um ponto de distribuição de alimentos em Genebra. Um estande de atendimento médico, administrado por uma equipe conjunta da MSF e do HUG, ofereceu testes Covid-19 gratuitos. Na região de Haute-Savoie, na vizinha França, uma pequena equipe da MSF forneceu apoio médico a entidades e associações em Annecy e Annemasse.

Aqui termina o infobox
especiais

COVID-19 Coronavírus na Suíça

Era apenas uma questão de tempo até que o coronavírus, o COVID-19, chegasse à Suíça. Quantos casos já ocorreram? Quais as medidas tomadas pelo governo? A que ponto a pandemia afeta a economia do país. Essas informações são apresentadas neste dossiê.



swissinfo.ch/ets

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Conteúdo externo

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.