AFP

(Arquivo) O Large Hadron Collider (LHC), um acelerador de partículas administrado pelo Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern), em Meyrin, no dia 19 de julho de 2013

(afp_tickers)

As esperanças sobre a descoberta de uma nova partícula que mudaria o paradigma da física se desvaneceram nesta sexta-feira, quando cientistas admitiram que uma grande variação percebida nos dados há alguns meses era, na verdade, uma alteração insignificante.

O anúncio de dezembro de 2015 sobre a descoberta de uma grande flutuação nos dados por duas equipes independentes de cientistas que trabalham no Large Hadron Collider (LHC), um acelerador de partículas administrado pelo Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern), gerou grande entusiasmo.

Esta flutuação, com uma energia de 750 gigaeletrovolts (GeV), teria sido seis vezes mais forte que o famoso bóson de Higgs, uma partícula elementar descoberta em 2012 que é considerada chave na estrutura fundamental da matéria.

Mas após muita especulação e vazamentos para as redes sociais, os cientistas anunciaram na Conferência Internacional de Física de Alta Energia, em Chicago, que na verdade não houve descobertas em nenhum dos dois novos experimentos realizados no Cern.

"O indício intrigante de uma possível ressonância a 750 GeV se decompondo em pares de fótons, o que gerou grande interesse a partir dos dados de 2015, não reapareceu no conjunto de dados de 2016, muito mais amplo, e portanto parece ser uma flutuação estatística", disse um comunicado do CERN.

Os cientistas presentes no encontro, que ocorre a cada dois anos, reagiram no Twitter à notícia, inclusive antes de que esta fosse anunciada formalmente.

"Nenhuma partícula nova anunciada no #ICHEP2016 hoje, mas é assim que a ciência funciona", publicou o Fermilab, o maior laboratório de física de partículas dos Estados Unidos.

"Basicamente, os dois experimentos do LHC estavam vendo a produção de dois fótons com mais frequência que o esperado", tuitou Brian Colquhoun, físico de partículas da Universidade de Glasgow.

afp_tickers

 AFP